Projeção Selic: XP eleva de 3% para 3,5%

A corretora XP Investimentos alterou seu cenário de previsão e passou a projetar a taxa da Selic em 3,5% no fim deste ano (2021) e em 4,5% no fim do próximo ano. Antes, a corretora esperava que o juros básico encerrasse 2021 em 3% e 2022 em 4%. 

Um dos motivos para essa mudança foram os indicadores de atividade melhores do que o esperado no fim do ano passado, por exemplo. Além do choque inflacionário prolongado e da sinalização do Copom de que a normalização da política monetária deve ser antecipada.

Projeção Selic: XP eleva de 3% para 3,5%
Fonte: (Reprodução / Internet)

O que consta no relatório da XP Investimentos

Caio Megale, economista-chefe da XP, destacou em relatório que o Copom afirma se manter suficientemente adequado o estímulo monetário ultra-elevado, mas destacou ter observado que, “neste momento”, ajustes podem ser feitos caso sejam necessários.

Para o economista, com o fim do “forward guidance” (Ferramenta de política monetária utilizada para sinalizar taxas de juros e orientar a economia em um curto período de tempo, a fim de atingir as metas esperadas), a condução da política monetária volta a seguir o receituário do regime de metas.

Como a pandemia deve influenciar na inflação

“Dessa forma, concordamos com o Copom que há uma variância maior do que a usual para a inflação prospectiva”, destacou Caio. Ainda de acordo com Megale, o agravamento recente da pandemia aumenta tanto o risco de ociosidade quanto de deterioração fiscal.

Na avaliação do XP, a alta incerteza sugere que o Copom seja mais cauteloso antes de iniciar o processo normal de normalização das taxas de juros. Assim, acredita-se que a comissão deve esperar por informações sobre o desempenho econômico no primeiro trimestre antes de a política monetária começar a apertar.

O economista também acredita que o Copom irá preferir antecipar o ciclo de alta de juros de agosto para maio. Momento este em que o conjunto de informações, como o balanço patrimonial, sobre o primeiro trimestre do ano estará mais claro para a tomada de decisões.

A evolução da taxa Selic nos últimos 3 anos

A taxa Selic definida pelo Comitê de Política Monetária, Copom, é uma meta anual que varia mês a mês, conforme as mudanças no índice de inflação, o IPCA. Entretanto, além da meta da Selic anual, há ainda as taxas mensais e a acumulada (soma das taxas mensais da Selic do ano em questão). 

Essas informações ficam disponíveis para consulta no site do Banco Central. Confira na tabela a seguir a evolução da Selic mês a mês e o acumulado dos últimos três anos (os dados da tabela abaixo foram todos retirados do site da Receita Federal). 

Mês/Ano202020192018
Janeiro0,38%0,54%0,58%
Fevereiro0,29%0,49%0,47%
Março0,34%0,47%0,53%
Abril0,28%0,52%0,52%
Maio0,24%0,54%0,52%
Junho0,21%0,47%0,52%
Julho0,19%0,57%0,54%
Agosto0,16%0,50%0,57%
Setembro0,16%0,46%0,47%
Outubro0,16%0,48%0,54%
Novembro0,15%0,38%0,49%
Dezembro0,16%0,370,49%
ACUMULADO2,755,796,5

Vale destacar, que a Selic afeta as principais operações financeiras no país, influenciando diretamente em investidores e aplicações como as do Tesouro Direto, renda fixa e rendimentos de contas baseados no índice do CDI. Nesse sentido, é necessário ficar atento as suas mudanças.

Leia também: Especialistas avaliam investimentos com Taxa Selic em 2%.

Vídeo – Aumento da Selic: entenda os impactos

Neste vídeo, a Jovem Pan convida o economista-chefe da Messem Investimentos, Gustavo Bertotti, para abordar sobre a expectativa do mercado para a economia brasileira decorrente da elevação da Selic entre os anos de 2021 e 2022, bem como seus impactos para o país.

References

índice de inflaçãoIPCA: O que é? IPCA Hoje e Acumulado 2021

Especialistas avaliam investimentos com Taxa Selic em 2%Especialistas avaliam investimentos com Taxa Selic em 2% – FolhaBR