Erdogan compara manifestantes estudantis turcos com “terroristas”

Estudantes da Universidade Bogazici de Istambul protestaram contra a nomeação de um partido no poder lealista como reitor.

Erdogan compara manifestantes estudantis turcos com "terroristas"
Foto: (reprodução/internet)

O presidente turco Recep Tayyip Erdogan diz que seu governo não permitirá que manifestações de um mês em uma universidade turca se transformem em protestos anti-governamentais similares aos protestos de 2013, chamando os manifestantes de “terroristas” e criticando o movimento LGBTQ como sendo incompatível com os valores da Turquia.

Desafiando uma proibição governamental de manifestações, estudantes e professores da Universidade Bogazici de Istambul protestaram contra a nomeação de Melih Bulu, um candidato acadêmico e ex-candidato político, como reitor.

“Conduta odiosa”

Turquia prende centenas por toda a vida ao longo de 2016 tentativa fracassada de golpe. O político pró-curdo Tosun condenado à prisão pelo tribunal turco.

Dizem que o processo foi antidemocrático e querem que ele se demita, causando um debate nacional sobre o alcance do governo e separando protestos em outros lugares.

Mais de 250 pessoas foram detidas em Istambul esta semana e 69 outras foram detidas na capital do país, Ancara.

Protestos de 2013

A agitação marca algumas das maiores manifestações desde 2013, quando centenas de milhares de pessoas marcharam contra os planos do governo para construir réplicas do quartel Otomano no Parque Gezi, em Istambul.

“Este país não será governado por terroristas”. Faremos o que for necessário para evitar isto”, disse Erdogan aos membros de seu Partido AK na quarta-feira (03). Ele disse que os jovens manifestantes carecem dos “valores nacionais e espirituais” da Turquia e são membros de grupos “terroristas”.

“Vocês são estudantes ou terroristas tentando invadir a sala do reitor?” Erdogan disse. “Este país não vai viver novamente um evento Gezi em Taksim, não vai permitir isso. Nós não estamos com terroristas e não o permitiremos”.

Estudantes contra-atacam

A disputa sobre o reitor se intensificou na semana passada depois que os manifestantes penduraram um cartaz perto de seu escritório retratando o local mais sagrado do Islã, o santuário Kaaba em Meca, que apresentava um símbolo LGBTQ.

Erdogan disse que “não existe tal coisa” como o LGBTQ.

Erdogan compara manifestantes estudantis turcos com "terroristas"
Foto: (reprodução/REUETRS)

“Este país é nacional e espiritual, e continuará a caminhar para o futuro como tal”, disse ele.

Os comentários de Erdogan vieram um dia depois que a polícia disparou gás lacrimogêneo e balas de borracha para dispersar multidões de mais de 1.000 pessoas em Istambul e várias centenas em Ancara.

Um protesto anti-governo

O Ministro do Interior Suleyman Soylu no sábado e na terça-feira chamou o povo LGBTQ de “desviantes” no Twitter.

Leia mais: Centenas de manifestantes contra o “estado policial” vão às ruas da Tunísia

O Twitter deu o raro passo de esconder as mensagens sob um aviso de que violava as “regras sobre conduta odiosa” da plataforma – como fez em relação a tweets do ex-presidente americano Donald Trump antes de proibi-lo no mês passado.

Os EUA na quarta-feira disseram que estavam “preocupados” com as detenções de estudantes e outros manifestantes enquanto condenavam a retórica anti-LGBTQ em torno dos protestos.

A posição dos EUA

O porta-voz do Departamento de Estado dos EUA, Ned Price, disse que a liberdade de expressão, “mesmo o discurso que alguns podem achar desconfortável, é um componente crítico da vibrante democracia em funcionamento”.

Leia também: Entre as restrições sanitárias e a crise econômica, Líbano tem manifestações

“Os Estados Unidos … estão lado a lado com todos aqueles que lutam por suas liberdades democráticas fundamentais“, disse ele.

O principal líder do partido da oposição, Kemal Kilicdaroglu, pediu a demissão de Bulu. O prefeito de Ankara Mansur Yavas exortou Bulu em uma carta aberta a “sacrificar” sua posição em vez de “paz acadêmica, juventude e nosso futuro”.

Traduzido e adaptado por equipe Folha BR

Fontes: Aljazeera, Istanbul Takipte