Os maiores filantropos ricos da história dos EUA

Muitos bilionários americanos parecem ser generosos quando o assunto é ajudar o próximo. Na crise do coronavírus, por exemplo, diversos homens e mulheres de negócio foram solidários às instituições de caridade. Algumas doações chegaram a bilhões de dólares

Contudo, a generosidade  desses ricaços não se estende somente pela pandemia. Muitos, levam o estilo de doação de parte de sua fortuna como um hábito para ajudar determinadas instituições e causas. De acordo com a Forbes, 10 filantropos ricos são destaques.

Os maiores filantropos ricos da história dos EUA
Os maiores filantropos ricos da história dos EUA
Fonte: (Reprodução/Internet)

10. Mark Zuckerberg e Priscilla Chan 

Mark Zuckerberg, dono da rede social Facebook, e sua esposa Priscilla Chan são conhecidos por destinar recursos grandiosos às instituições voltadas à educação e ciência. Em 2020, o casal concentrou sua caridade para integridade eleitoral e para o combate ao coronavírus.

Os maiores filantropos ricos da história dos EUA
Fonte: (Reprodução/Internet)

As doações do casal foram feitas por meio de sua instituição filantrópica chamada Chan Zuckerberg Initiative (CZI). A organização enviou verbas tanto para acelerar os estudos sobre a Covid-19, quanto para aumentar a capacidade de teste do vírus. No ano passado, as doações voltadas ao alívio da pandemia chegaram a US$ 100 milhões.

Já o valor de US$ 400 milhões foi destinado às organizações não partidárias. De acordo com Chan e Zuckerberg, o amparo à integridade eleitoral é para certificar que os eleitores votem em segurança. Até então, as doações chegam a US$ 2,7 bilhões

9. James Simons 

O matemático e investidor bilionário, James Simons, realiza grandes doações para pesquisas voltadas à ciência, engenharia, tecnologia e matemática. Juntamente com sua esposa, Marilyn Simons, ele criou a Simons Foundation. 

Os maiores filantropos ricos da história dos EUA
Fonte: (Reprodução/Internet)

Atualmente, o casal é o maior financiador da organização sem fins lucrativos Math for America.  A instituição tem como objetivo desenvolver professores de ciência e de matemática qualificados para lecionar nas escolas dos Estados Unidos. Ao longo da vida, assim como Zuckerberg e sua esposa, James Simons já doou US$ 2,7 bilhões. 

8. Eli Broad 

Eli Broad, empresário do ramo de construção civil nos EUA, foi um dos magnatas que se mobilizaram no combate à pandemia. O norte-americano doou US$ 136 milhões para ajudar na ampliação dos testes de Covid. No total, ele já destinou US$ 2,8 bilhões às instituições.

Os maiores filantropos ricos da história dos EUA
Fonte: (Reprodução/Internet)

Em parceria com sua mulher, Edythe Broad, Eli fundou a Broad Foundation para poiar a ciência, a educação e as artes. Há mais de 30 anos, eles também criaram a Broad Art Foundation que conta com uma biblioteca de arte que apresenta quase 9 mil obras para mais de 490 museus. 

7. Gordon Moore 

O CEO da famosa empresa de tecnologia Intel, Gordon Moore, promove muitas ações filantrópicas por meio de sua marca consolidada no mercado. Por ano, o bilionário concede aproximadamente US$ 210 milhões em doações. Mas, até 2020 ele desembolsou US$ 5,15 bilhões em doações.

Os maiores filantropos ricos da história dos EUA
Fonte: (Reprodução/Internet)

Gordon Moore tem forte presença na preservação ambiental e no combate à perda de biodiversidade. O empresário também financia pesquisas científicas, como por exemplo o desenvolvimento de um telescópio de trinta metros construído no Havaí, chamado de Thirty Meter Telescope. 

6. MacKenzie Scott

A escritora e ativista, MacKenzie Scott, também faz parte dos maiores filantropos ricos da história dos EUA. Depois de se divorciar de Jeff Bezos, CEO da Amazon, ela mergulhou de cabeça nas ações de caridade.

Os maiores filantropos ricos da história dos EUA
Fonte: (Reprodução/Internet)

No ano passado, durante as manifestações Black Lives Matter (Vidas Negras Importam, em português), MacKenzie Scott destinou cerca de US$ 1,7 bilhão à instituições que trabalham contra a desigualdade social. 

A bilionária também é conhecida pelo apoio aos programas de orientação sexual, gênero e mobilidade econômica. Só em 2020, ela doou aproximadamente US$ 4,2 bilhões para organizações predominantemente sem fins lucrativos. Na soma total, a MacKenzie soma US$ 5,83 bilhões em ações filantrópicas. 

5. Charles Feeney 

Charles Feeney, também conhecido como Chuck, é um ex-rico que planejava morrer sem nenhum centavo. Seu objetivo é doar todo o seu dinheiro após atingir suas metas de vida. O fundador da rede de varejo Duty Free Shoppers doou US$ 8 bilhões

Os maiores filantropos ricos da história dos EUA
Fonte: (Reprodução/Internet)

Chuck destinou US$ 3,7 bilhões à educação. Desse valor US$ 1 bilhão foi doado à instituição em se formou em Administração, a Universidade de Cornell. A The Atlantic Philanthropies, instituição fundada por ele, foi uma das maiores fundações de caridades do mundo. Em 2020, o filantropo e sua esposa encerraram a fundação após vender todos os ativos. 

Segundo Charles Feeney, ele sempre teve a ideia de que a riqueza deve ser usada para ajudar as pessoas. Em entrevista ao BBC News, o americano afirmou que doava dinheiro em segredo para não ter que justificar o motivo para terceiros. 

4. Michael Bloomberg 

O empresário magnata e ex-presidente de Nova York Michael Bloomberg é o quarto maior filantropo bilionário dos EUA. Fundador da fundação Bloomberg Philanthropies, o norte-americano financiou o apoio às mudanças climáticas com mais de US$ 11 bilhões.

Os maiores filantropos ricos da história dos EUA
Os maiores filantropos ricos da história dos EUA

Durante a pandemia, ele desembolsou valor superior a US$ 1 bilhão para iniciativas voltadas ao coronavírus. Também, Bloomberg anunciou o financiamento de US$ 100 milhões para instituições de ensino superior historicamente negras. Ao todo, o bilionário doou US$ 11,1 bilhões. 

3. George Soros 

No top 3 dos filantropos dos EUA está o investidor bilionário George Soros. Dono da Open Society Foundations de Soros, George já destinou mais de US$ 16 bilhões em doações em toda a sua vida.

Os maiores filantropos ricos da história dos EUA
Fonte: (Reprodução/Internet)

Sua fundação é focada em apoiar a promoção da democracia e a proteção dos direitos eleitorais. No ano passado, a Open Society também destinou US$ 37 milhões para promover a assistência financeira de imigrantes ilegais não abraços pelas medidas do governo americano.

2. Bill Gates 

Em segundo lugar fica o magnata Bill Gates, fundador da Microsoft. Depois de deixar o cargo de CEO da gigante de tecnologia, Gates passou a focar na Bill & Melinda Gates Foundation, fundada junto com sua esposa. A organização é voltada para redução da pobreza e apoio à saúde.

Os maiores filantropos ricos da história dos EUA
Fonte: (Reprodução/Internet)

Por ano, a fundação arrecada US$ 5 bilhões em doações. Com a crise pandêmica, esses valores passaram a ser investidos em tratamentos, pesquisas, vacinas e testes de Covid-19. As doações do casal Gates chegam a US$ 29,8 bilhões ao longo da vida.

Um dos financiadores da instituição há mais de 10 anos é o multimilionário Warren Buffett. As contribuições do americano são de até US$ 3 bilhões por ano através de ações de sua empresa Berkshire Hathaway.

1. Warren Buffett

O maior filantropo rico da história dos EUA é sem dúvidas Warren Buffett. Com o propósito de doar quase 100% de sua fortuna, ele fez com que o a Berkshire Hathaway doasse  no total quase US$ 43 bilhões.

Os maiores filantropos ricos da história dos EUA
Fonte: (Reprodução/Internet)

Em 2010, o bilionário criou o The Giving Pledge, juntamente com Bill Gates e Melinda Gates, e teve como inspiração o filantropo Charles Feeney com sua ideia de doar dinheiro em vida. A organização tem o objetivo de incentivar magnatas e famílias de grande fortuna a contribuírem significativamente para causas sociais com sua riqueza. 

Buffett declarou que se os ricos do mundo investissem mais de 1% do dinheiro neles mesmos, o seu bem-estar e sua felicidade não seriam maiores por isso. Além disso, para o americano sua postura e a de sua família é baseada na gratidão por serem bem sucedidos.