Melhores investimentos para 2020

Nos últimos anos nasceu na população, tanto brasileira, como mundial, o desejo de investir. É um começo, no entanto, é necessário saber no que investir, porque investir, o quanto investir, etc. Para que seja um processo bem construído e que acima de tudo que gere bons resultados. 

ANÚNCIO

O grande medo dos pequenos investidores, ou daquelas pessoas que ainda não começaram a investir, é de perder seu dinheiro. É um sentimento natural, visto que trata-se de uma novidade que requer cautela e conhecimento a respeito. 

Para iniciar nessa jornada de investimentos, é necessário ter controle sobre as finanças, pois esse ato requer que você tenha uma quantia em dinheiro para dar inicio. Por isso, é preciso economizar com gastos superficiais, e assim redirecionar esse dinheiro para que possa ter um retorno futuramente. 

Melhores investimentos para 2020
foto(reprodução/internet)

Há muitas formas de investir, e com isso as chances de fazer péssimos investimentos é ainda maior. É necessário pesquisar para saber qual o seu perfil de investidor. Acompanhe, neste artigo, os melhores investimentos para 2020

Como investir da melhor forma?

Imagine que no início de 2019, você prometeu para si mesmo, que iria começar a poupar e pegar esse dinheiro e investir em lugares que estão em alta e dando lucros. Chegou o ano e foi passando o tempo e você adiando, e agora já é novembro de 2019 e você não fez nada. Mas, fique tranquilo, nunca é tarde para começar. 

Em primeiro lugar, é importante estudar sobre investimentos, o que é, como se aplica, e as áreas que pode se aplicar o capital de forma incisiva. Existem cursos, que preparam investidores para futuros negócios.

No entanto, se você entende da área, mas quer aprimorar seus conhecimentos, há alguns livros como  The Intelligent Asset Allocator – William Bernstein, entre outros que podem te ajudar com isso. Homens muito ricos, como Bill Gates tem a leitura como hábito diário, ele utiliza o conhecimento para evoluir e prosperar. 

Como saber meu perfil de investidor?

Há vários perfis, e você consegue descobrir o seu estudando amostras já existentes, onde cada objetivo vai influenciar na escolha das aplicações. Existe o investidor moderado, o conservador e o arrojado. Veja o que cada um significa e que tipo de pessoas englobam:

Investidor moderado 

Este perfil, caracteriza pessoas que querem experimentar novos campos de investimentos, incrementar e testar novas modalidade. Também é um perfil que tange pessoas, que deixam seu capital rendendo por mais tempo, ou tem objetivos de médio prazo, que dura de 3 a 5 anos. 

Investidor conservador 

Esse perfil é para quem deseja sempre ter seu dinheiro em um bom alcance, ou seja, para perfis que querem ter acesso ao seu dinheiro regularmente, ou que guardam seu dinheiro para um objetivo de curto prazo, como por exemplo, uma viagem. 

Investidor arrojado

É aquele perfil mais audacioso, que não tem medo de se arriscar e fazer apostas maiores, para ter esse perfil, é indicado que investidores, estudem e se dediquem, pois depositar grandes quantias em investimentos é um risco que pode valer a pena, se bem executado. Esse tipo de investidor, não é imediatista, fazendo investimentos a longo prazo. 

Dicas de ouro

Fundos de Investimentos e Ações estão entre as opções mais rentáveis e atrativas em tempos de crescimento econômico. O Brasil passa por grandes mudanças estruturais e é importante estudá-las antes de investir. Mas também, sempre há oportunidades para o investidor conservador. Na renda fixa, as opções mais interessantes são as aplicações prefixadas e os Créditos Privados, isentos de Imposto de Renda.

Para que você fique atento aos riscos referentes a investimentos que, talvez, não seja tão rentáveis, listamos, abaixo, uma lista de onde não investir em 2020: 

  1. Poupança
  2. Fundos DI com Taxa de Administração Superiores a 0,4% a.a
  3. CDBs que rendem menos que 95% do CDI
  4. Fundos de Previdência com Taxas Superiores a 1,5% a.a.

Abaixo uma lista de onde investir em 2020:

  1. CDBs prefixos e IPCA+
  2. Créditos Privados (CRI e CRA)
  3. Debêntures incentivadas
  4. Fundos de Crédito
  5. Fundos Imobiliários
  6. Fundos Multimercado e de Ações
  7. Ações (Bolsa de Valores). 

Agora que você já sabe onde deve e não deve investir, estude os melhores meios, bem como identifique o seu perfil para saber por onde começar. Lembre-se, praticamente todo investimento envolve riscos, por isso, é necessário que, independente da sua escolha, você tenha consciência disso e arrisque-se.