Estudo encontra evidências de diminuição da imunidade do anticorpo ao COVID-19

ANÚNCIO
anti corpos covid corona imunidade
Foto: (reprodução/internet)

Cientistas do Imperial College London rastrearam os níveis de anticorpos na população e confirmaram a diminuição da imunidade britânica após a primeira onda de infecções em março e abril, informou a Reuters.

Os anticorpos contra o coronavírus diminuíram rapidamente entre centenas de milhares de pessoas envolvidas em um estudo britânico, sugerindo que a imunidade após a infecção pode não durar muito

Leia também: Potencial surto de COVID na sede da ONU em Nova York

A prevalência de anticorpos caiu em um quarto, de 6 por cento da população no final de junho para apenas 4,4 por cento em setembro – aumentando a perspectiva de diminuição da imunidade antes de uma segunda onda de infecções, de acordo com o veículo.

ANÚNCIO

O estudo de Imperial – baseado em uma pesquisa com 365.000 adultos selecionados aleatoriamente que receberam testes de picada no dedo – foi lançado como um papel pré impresso e ainda não foi revisado por pares.

“Observamos um declínio significativo na proporção da população com anticorpos detectáveis ​​ao longo de três rodadas de vigilância nacional, usando um teste de fluxo lateral auto administrado, 12, 18 e 24 semanas após o primeiro pico de infecções na Inglaterra”, escreveu a equipe , de acordo com a CNN.

“Isso é consistente com a evidência de que a imunidade aos coronavírus sazonais diminui em 6 a 12 meses após a infecção e os dados emergentes no SARS-CoV-2 que também detectaram uma diminuição ao longo do tempo nos níveis de anticorpos em indivíduos acompanhados em estudos longitudinais”, acrescentou.

ANÚNCIO

Para profissionais de saúde, as taxas de anticorpos IgG permaneceram quase as mesmas, de acordo com o estudo, que foi publicado segunda-feira pelo Imperial College London e pela empresa de pesquisa de mercado Ipsos MORI.

Os anticorpos são proteínas que o corpo gera para combater infecções. IgG são um tipo, mas os testes não foram projetados para detectar outros tipos de anticorpos.

Outros pesquisadores descobriram que diferentes tipos de anticorpos podem durar mais do que o IgG, de acordo com a CNN.

“Pode-se ver os anticorpos e pode-se vê-los diminuindo e sabemos que os anticorpos por si próprios são bastante protetores”, disse Wendy Barclay, chefe do Departamento de Doenças Infecciosas do Imperial College London, em uma entrevista coletiva.

Veja também: O presidente da China, Xi, ataca os EUA em comemoração à Guerra da Coréia

“No balanço das evidências, eu diria, com o que sabemos para outros coronavírus, pareceria que a imunidade diminuía na mesma taxa que os anticorpos diminuíam, e que isso é uma indicação de imunidade diminuindo no nível da população”, ela adicionou.

Aqueles para os quais a infecção foi confirmada com um teste de PCR, ou reação em cadeia da polimerase, tiveram um declínio menos pronunciado de anticorpos, em comparação com aqueles que eram assintomáticos e não sabiam da infecção.

O estudo apoia resultados de pesquisas semelhantes na Alemanha, que descobriram que a grande maioria das pessoas não tinha anticorpos – e que os anticorpos podem desaparecer entre aqueles que têm, de acordo com a Reuters.

Um porta-voz da Organização Mundial de Saúde disse que a incerteza sobre quanto tempo duraria a imunidade e o fato de que a maioria das pessoas nunca teve anticorpos contra a doença, em primeiro lugar, mostrou a importância de quebrar as cadeias de transmissão.

“Adquirir essa imunidade coletiva apenas permitindo que o vírus se espalhe pela população não é realmente uma opção”, disse Tarik Jasarevic em uma reunião da ONU em Genebra.

Barclay observou que a rápida diminuição dos anticorpos não teve necessariamente implicações para a eficácia das vacinas candidatas submetidas a testes clínicos.

Uma boa vacina pode ser melhor do que a imunidade natural”, disse ela.

O estudo também descobriu que pessoas mais jovens que se recuperaram da doença tiveram uma perda mais lenta de anticorpos, em comparação com sobreviventes com mais de 75 anos, de acordo com a CNN.

Ainda assim, não se sabe o suficiente para determinar se os anticorpos fornecem algum nível eficaz de imunidade ou por quanto tempo as pessoas podem ficar imunes a reinfecções com a doença.

O estudo também não usou amostras das mesmas pessoas repetidamente, mas de pessoas diferentes ao longo do tempo – e é possível que as pessoas que foram expostas ao bug tenham menos probabilidade de participar com o tempo e isso pode ter distorcido os resultados, observaram os pesquisadores.

“Este estudo muito grande mostrou que a proporção de pessoas com anticorpos detectáveis ​​está caindo com o tempo”, disse Helen Ward, que está na faculdade de medicina do Imperial College London, em um comunicado, informou a CNN.

“Ainda não sabemos se isso deixará essas pessoas em risco de reinfecção com o vírus que causa COVID-19, mas é essencial que todos continuem a seguir as orientações para reduzir o risco para si e para os outros”, acrescentou Ward, que participaram do estudo.

Fique por dentro: Ataque aéreo dos EUA na Síria mata 7 líderes da Al-Qaeda

A Dra. Claudia Hoyen, que se especializou em doenças infecciosas pediátricas no University Hospitals of Cleveland, disse que o estudo sugere que pelo menos no que diz respeito aos anticorpos, o COVID-19 age como outros coronavírus.

Este estudo é realmente a primeira peça do quebra-cabeça que realmente nos dá a indicação de que, sim, esses anticorpos não parecem durar para todos”, disse Hoyen à CNN.

Pelo menos neste caso, este vírus está agindo como podemos prever, o que é uma coisa boa porque tudo sobre este vírus tem sido tão absurdo”, disse ela, acrescentando que o estudo também “reforça o fato de que nós vai ficar mascarado por um tempo.

Traduzido e adaptado por equipe Folha BR
Fonte: New York Post

ANÚNCIO