China Media rebate ‘especulações’ sobre implantação de mísseis hipersônicos

ANÚNCIO

A mídia estatal chinesa minimizou os relatos de “meras especulações” de que Pequim moveu mísseis hipersônicos para mais perto de Taiwan, embora também tenha oferecido uma explicação de como as armas seriam usadas.

míssil hipersônico DF 17
Foto: (reprodução/internet)

O jornal do Partido Comunista Chinês, Global Times, publicou o extenso artigo em resposta a afirmações no South China Morning Post de Hong Kong – citando uma fonte anônima – de que o Exército de Libertação do Povo havia implantado seus mísseis hipersônicos Dongfeng-17 na costa sudeste da China.

ANÚNCIO

Leia também: EUA lançam ameaças enquanto expira embargo de armas da ONU contra o Irã

O DF-17 é o míssil hipersônico mais avançado da China, com alcance máximo de 1.500 milhas e considerado mais preciso do que seus predecessores, afirmou o relatório do SCMP .

As tensões no Estreito de Taiwan aumentaram nos últimos meses, enquanto o PLA conduzia exercícios de pouso com fogo real e Taipei respondia com seus próprios exercícios anti-pouso no estreito corpo de água.

No entanto, o jornal estatal Global Times citou um especialista militar dizendo que seria “um desperdício” usar os mísseis em Taiwan, dada sua capacidade de alcance.

ANÚNCIO

O míssil hipersônico DF-17, que foi revelado pela primeira vez no desfile militar do Dia Nacional do ano passado em Pequim, teria um alcance mais de 10 vezes a largura do Estreito de Taiwan com 160 quilômetros de largura.

A curta distância entre a ilha e o continente torna a missão de bombardeio contra alvos militares de Taiwan muito fácil“, disse o jornal, acrescentando que as armas, se implantadas, “são destinadas a atingir os inimigos mais poderosos que tentam intervir em Taiwan. durante a operação do ELP e outras ameaças que minam a soberania e integridade territorial da China.

Os alvos militares em Taiwan estão totalmente ao alcance dos lançadores de foguetes do PLA e mísseis lançados pelo ar transportados por aeronaves militares, então usar mísseis avançados para atacar Taiwan seria um desperdício“, disse o artigo, citando um especialista militar não identificado.

míssil hipersônico DF 17
Foto: (reprodução/internet)

Comentando sobre a implantação de DF-17s perto da ilha, o analista de defesa taiwanês Su Tzu-yun também discordou do relatório do SCMP sobre os casos de uso potencial dos mísseis.

Su, um analista sênior do Instituto de Defesa Nacional e Pesquisa de Segurança, disse que os mísseis balísticos hipersônicos seriam para fins de “anti-acesso” e “negação de área” caso potências militares estrangeiras tentassem intervir em um Taiwan potencial Conflito no estreito, informou o jornal Liberty Times de Taiwan.

Com um alcance potencial de até 1.550 milhas, os mísseis poderiam, em teoria, atingir Taiwan, mas isso seria “um desperdício das capacidades de alcance do DF-17″, disse Su.

Ele sugeriu que as armas seriam usadas para atingir bases militares e grupos de batalha de porta-aviões dos EUA, a fim de cercar Taiwan e atacar quaisquer forças americanas que tentassem ajudar Taipei.

Su observou que o DF-17, que tem o potencial de evitar sistemas de defesa antimísseis balísticos entrando na atmosfera, “tem uma baixa taxa de acerto“.

Embora causem um incômodo para os militares dos EUA, os EUA já terão contramedidas relevantes em vigor“, acrescentou Su.

De acordo com o Liberty Times , Su apontou contradições no artigo do SCMP , dizendo que o exército chinês já havia preparado mísseis Dongfeng-15 de curto alcance ao longo de sua costa leste como sua principal forma de ataque contra Taiwan.

Se o PLA quisesse usar DF-17 em Taiwan, só precisaria instalá-los na China central. O fato de os militares chineses terem escolhido a costa leste para suas instalações de mísseis é uma indicação ‘clara’ de que há forças em mente“, escreveu o jornal, que é considerado uma posição pró-independência.

Finalmente, o analista de defesa disse que o sistema de alerta precoce de mísseis de Taiwan seria capaz de detectar qualquer lançamento de DF-17 e subsequente escalada na atmosfera superior, com os sistemas Patriot e Terminal High Altitude Area Defense – THAAD – então capazes de interceptar rapidamente.

Veja também: Resíduos de coronavírus encontrados em embalagens de frutos do mar congelados na China

Su observou que os EUA também seriam capazes de localizar e destruir quaisquer lançadores móveis ou instalações fixas com a ajuda de seus satélites e aeronaves de reconhecimento.

Com a pressão militar de Pequim crescendo sobre Taiwan antes das eleições de novembro, o Global Times disse que a reunificação pela força agora é uma questão de “quando e como“.

“Com base no desenvolvimento da situação atual, se usar a opção da reunificação pela força não é mais uma questão; a única questão é quando e como usá-la”, disse o documento, citando analistas chineses não identificados.

Traduzido e adaptado por equipe Folha BR
Fontes: Newsweek

ANÚNCIO