EUA lançam ameaças enquanto expira embargo de armas da ONU contra o Irã

ANÚNCIO

(UPI) – Os Estados Unidos ameaçaram impor sanções contra qualquer indivíduo ou entidade que contribua para o programa de armas convencionais do Irã, embora rejeite a expiração de um embargo de armas das Nações Unidas a Teerã.

bandeira EUA e IRÃ
Foto: (reprodução/internet)

O embargo de uma década – que fazia parte de um acordo nuclear histórico de 2015 do qual o presidente Donald Trump retirou os Estados Unidos em 2018 – expirou no domingo, apesar dos esforços dos EUA durante o verão para estendê-lo pelo Conselho de Segurança da ONU.

ANÚNCIO

Fique por dentro: O’Brien exorta Taiwan a formar forças armadas para uma possível invasão chinesa

Teerã proclamou o domingo como “um dia importante para a comunidade internacional“, já que o fim do embargo permitirá a “normalização da cooperação de defesa do Irã com o mundo“.

A partir de hoje, a República Islâmica do Irã pode adquirir quaisquer armas e equipamentos necessários de qualquer fonte, sem quaisquer restrições legais e exclusivamente com base em suas necessidades defensivas e também pode exportar armamentos defensivos com base em suas próprias políticas”, anunciou o Ministério das Relações Exteriores do Irã em um declaração.

Acrescentando que “armas não convencionais, armas de destruição em massa e uma onda de compra de armas convencionais não têm lugar” em sua política de defesa.

ANÚNCIO

Os Estados Unidos rejeitaram a expiração, afirmando que reintroduziram todas as sanções da ONU contra o Irã, incluindo o embargo de armas, no mês passado, após desencadear o chamado mecanismo de ‘snapback’ sob uma resolução da ONU, apesar de não ser mais membro da multinacional da era Obama acordo nuclear que visa impedir Teerã de desenvolver uma bomba atômica.

O secretário de Estado dos EUA, Mike Pompeo, emitiu a ameaça em um comunicado no domingo, afirmando que os Estados Unidos estão preparados “para usar suas autoridades nacionais para punir qualquer indivíduo ou entidade que contribua materialmente para o fornecimento, venda ou transferência de armas convencionais de ou para o Irã, bem como aqueles que fornecem treinamento técnico, apoio financeiro e serviços e outra assistência relacionada a essas armas.

Nos últimos 10 anos, os países se abstiveram de vender armas ao Irã sob várias medidas da ONU”, disse Pompeo. “Qualquer país que agora desafie esta proibição estará claramente escolhendo alimentar o conflito e a tensão sobre a promoção da paz e segurança.

A Organização das Nações Unidas disse que o governo Trump não tinha o poder de iniciar o processo de snapback e a Grã-Bretanha, França e Alemanha disseram que os Estados Unidos não têm base legal para invocar o mecanismo.

Dmitry Polyanskiy, embaixador da Rússia nas Nações Unidas, disse em resposta à ameaça de Pompeo no domingo de que os Estados Unidos deveriam cortejar o diálogo com o país do Oriente Médio em vez da agressão.

Por favor, mude as palavras ‘sanções’ e ‘punição’ em seu vocabulário para ‘diálogo’ e ‘engajamento’”, ele tuitou. “Isso ajudaria bastante! Faça com que os EUA sejam respeitados novamente!

Agora que o embargo expirou, Teerã disse que apoiará os adversários dos Estados Unidos com a venda de armas, informou a estatal iraniana Press TV.

Muitos países já falaram conosco”, o ministro da Defesa do Irã, Brig. O general Amir Hatami disse em uma entrevista televisionada no domingo. “Fizemos negociações com alguns países e o terreno está totalmente preparado para a troca [de armas] tanto para a venda [de armas aos países] quanto para o atendimento de certas necessidades”.

Ele acrescentou que a venda de armas seria maior do que a aquisição delas.

Tanto a UE quanto a Grã-Bretanha mantêm seus próprios embargos de armas contra o Irã.

As tensões entre os Estados Unidos e o Irã dispararam desde que Trump se retirou do Plano de Ação Conjunto Global, alegando que era defeituoso em seu núcleo e impôs sanções contra o Irã.

Iranianos rasgando bandeira dos EUA por conta do tratado de armamento
Foto: (reprodução/internet)

O conflito atingiu seu auge no início deste ano, quando o governo Trump assassinou o general do Irã Qassem Soleimani em um ataque de drones.

Leia também: Talibã ameaça novos combates no Afeganistão, culpando os EUA por quebrar a paz

Em retaliação, Teerã disparou mísseis contra duas bases militares dos EUA no Iraque.

Então, em meio a um elevado estado de prontidão temendo medidas retaliatórias dos EUA, o Irã abateu um avião ucraniano, matando todos os 176 a bordo, perto de Tehan.

Traduzido e adaptado por equipe Folha BR
Fontes: Newsweek

ANÚNCIO