James Packer aliado de Bibi ameaça usar conexões do Mossad para negócios

ANÚNCIO

James Packer, o magnata aliado do primeiro-ministro Benjamin Netanyahu, admitiu ter ameaçado usar as conexões do Mossad contra um parceiro de negócios se ele não cumprisse os desejos do bilionário.

James Packer
Foto: Reprodução/internet

Em um relatório divulgado na terça-feira por várias publicações da mídia australiana, foi dito que Packer exigiu de um sócio comercial não identificado que investisse US $ 1,5 bilhão em seu cassino Crown para privatizá-lo.

ANÚNCIO

Quando o investidor ofereceu apenas US $ 400 milhões, Packer fez referências ameaçadoras ao bilionário magnata israelense Arnon Milchan, que tem conexões com a defesa israelense e é membro do Mossad.

As novas revelações surgiram como parte de uma investigação especial do governo australiano sobre irregularidades no cassino.

Essas irregularidades incluem que o cassino foi usado por gangues do crime chinesas para facilitar a lavagem de dinheiro, bem como para operar um negócio não licenciado na China.

ANÚNCIO

Em última análise, a investigação poderia revogar a licença do cassino ou ordenar ao Packer que venda a maior parte de sua participação acionária de 36%.

Packer teria dito ao inquérito que ficou surpreso com o fato de o investidor ter levado a sério sua ameaça.

No entanto, o investidor estava tão esgotado que consultou as autoridades e supostamente gastou dezenas de milhares de dólares para fornecer uma nova segurança especial em sua casa.

As acusações contra Packer são explosivas em Israel não apenas por causa da menção ao Mossad (independentemente de a ameaça ter qualquer fundamento ou ser um blefe), mas por causa de sua proximidade anterior com o primeiro-ministro.

No julgamento de corrupção pública em andamento de Netanyahu, espera-se que Packer seja chamado como uma testemunha importante no Caso 1000 – The Illegal Gifts Affair.

Netanyahu supostamente recebeu um surpreendente 1 milhão de benefícios ilegais de Milchan e Packer.

Embora a maior parte do caso gire em torno de anos de presentes dados por Milchan a Netanyahu, apesar de alegados graves conflitos de interesse, a narrativa de Packer será usada pela promotoria para reforçar seu caso de que a relação Milchan-Netanyahu era de suborno e negócios, não de amizade.

Fique por dentro: Democratas admitem: gigantes da tecnologia abusam do monopólio

A promotoria argumentará no julgamento que Packer veio para ajudar Milchan a acompanhar os caros apetites por presentes de Netanyahu, para que o primeiro-ministro continuasse a agir em seu nome.

A defesa irá argumentar que a ausência de uma acusação contra Packer deveria anular o NIS 250.000 relacionado a ele e prova que os presentes de Milchan eram apenas presentes e não relacionados a um crime.

Traduzido e adaptado por equipe Folha BR
Fonte: SPOOKNEWS 

ANÚNCIO