Mossad, Shin Bet investigando grande hack de cripto-CEOs

ANÚNCIO

Mossad e o Shin Bet estão investigando um incidente no qual os telefones de dezenas de executivos de criptomoedas em Israel foram hackeados e suas identidades online roubadas, informou um relatório do Haaretz na quarta-feira.

hacker com teclado
Foto: Reprodução/internet

Nem o Gabinete do Primeiro Ministro, o Shin Bet (Agência de Segurança de Israel), o Mossad nem o Diretório Cibernético Nacional de Israel responderam a um pedido do Jerusalem Post para comentar até o momento.

ANÚNCIO

A alegação do relatório de que o Mossad e o Shin Bet estiveram envolvidos na investigação do incidente de 7 de setembro foi incomum porque, normalmente, quando as instituições civis são invadidas, o INCD é a parte principal.

Em contraste, as agências de inteligência tendem a lidar com ameaças militares e à segurança nacional.

Embora o relatório não tenha ficado claro por que ou em que medida as agências de inteligência estariam envolvidas, o relatório disse que potenciais atores estrangeiros de estado-nação estavam conectados ao hack devido à sua sofisticação.  

ANÚNCIO

O relatório descreveu uma rede complexa de hackeamento de vários sistemas tecnológicos em países terceiros para enganar falsamente o Parceiro provedor de serviços de telefonia celular, fazendo-o ativar uma função de roaming, que por sua vez fornecia acesso aos telefones celulares.

De acordo com o relatório, sua principal genialidade veio dessa vulnerabilidade que permite que hackers enviem mensagens de texto para as vítimas que parecem vir de fontes oficiais.

Em seguida, os hackers exigiram que cerca de 20 executivos israelenses de criptomoedas pagassem em moeda digital para recuperar o acesso eletrônico.

Apesar do sucesso dos hackers em se infiltrar nos sistemas dos executivos, o relatório descreveu o hack como sendo um fracasso.

Fique por dentro: James Packer aliado de Bibi ameaça usar conexões do Mossad para negócios

Embora o relatório não descreva o que falhou, a narrativa parecia indicar que a empresa cibernética Pandora estava envolvida em ajudar muitos ou todos os executivos a se livrarem do hack sem perdas substanciais.

O co-fundador da Pandora e ex-oficial do NSO Group, Tzahi Ganot, é amplamente citado no relatório para explicar as circunstâncias e menciona que Shin Bet e funcionários do Mossad estiveram envolvidos na investigação do incidente.

Apesar da violação, o hack em geral falhou porque nenhuma das vítimas, pelo que Ganot pode dizer, aceitou e transferiu dinheiro para os hackers. A identidade dos hackers permanece desconhecida.

Traduzido e adaptado por equipe Folha BR
Fonte: SPOOKNEWS

ANÚNCIO