Comunistas chineses alertam: ‘O cristianismo não pertence à China’

ANÚNCIO
catolicismo china
Foto: Reprodução/internet

O Partido Comunista Chinês continua sua campanha frenética para apagar cruzes, as cruzes devem ser eliminadas porque ‘o cristianismo não pertence à China’.

O cristianismo pode ter uma presença muito mais antiga em grande parte da China do que na Europa Ocidental e chegou lá mais de um milênio antes de chegar às Américas.

Apesar disso, o ditador Xi Jinping lançou uma campanha contra a fé – bem como outros desafios à ideologia do Partido Comunista Chinês, como o Islã e o budismo tibetano – com a marca “Sinicização”.

ANÚNCIO

Veja também: Turquia preparada para testar mísseis russos S-400 que causaram polêmica nos Estados Unidos

Os oficiais do partido insistem que o cristianismo só pode existir na China quando for reconciliado com a cultura chinesa, que define como a doutrina do partido comunista.

O comunismo é uma ideologia fundada nos escritos de agitadores europeus. Karl Marx, seu pai intelectual, nasceu a cerca de 5.000 milhas de Pequim.

O  relatório do Britter Winter esta semana enfocou uma cidade na província de Shandong, nordeste da China, onde os moradores locais dizem que os oficiais do partido começaram a retirar as cruzes de todas as igrejas “Patrióticas das Três Auto”.

ANÚNCIO

A igreja “patriótica” é a versão aprovada pelo Partido do protestantismo no país; apenas quatro outras religiões – catolicismo chinês, taoísmo, budismo e islamismo – são legais no país.

A campanha para remover as cruzes na cidade, identificada como Dazhongcun, teria começado em julho.

Em meio à demolição, um dos funcionários da cidade disse aos espectadores que ‘as cruzes devem ser removidas de todas as igrejas porque o cristianismo não pertence à China’”, relatou a revista.

Em Linyi, uma cidade na província, as autoridades supostamente começaram a apagar sinais públicos do cristianismo em 2019, argumentando que a fé estava se popularizando muito rapidamente para o Partido controlar.

“Em 11 de abril, o Departamento de Trabalho da Frente Unida municipal convocou uma reunião de emergência para os pastores da Igreja das Três Autônomas da cidade, informando-os”, relatou Bitter Winter , “que porque ‘havia muitos cristãos em Linyi’, o governo provincial havia emitido um documento ruivo ordenando o controle do assunto por meio da repressão aos locais de culto.”

Relatos de movimentos semelhantes visando os poucos cristãos chineses que realmente usam igrejas aprovadas pelo PCC surgiram em todo o país.

Em algumas partes do país, as igrejas tornaram-se edifícios indefinidos. Em outros, o Partido adornou as igrejas com a estrela vermelha comunista e outras imagens marxistas.

A Igreja das Três Autônomas é altamente impopular entre os cristãos chineses, de acordo com grupos de ajuda que os ajudam a continuar a praticar sua fé no país, porque todos os sermões, Bíblias e outros materiais devem ser aprovados primeiro pelo Partido, o que significa que a maioria foi diluída na propaganda comunista incompatível com os verdadeiros ensinamentos cristãos.

Em vez disso, muitos cristãos arriscam suas vidas participando de cultos ilegais em “casas” da igreja, nos quais os cristãos de um determinado bairro se reúnem secretamente para adorar sem supervisão do governo.

Visto que muitos adoram em segredo, não existem estatísticas oficiais confiáveis ​​sobre a população cristã da China. As estimativas sugerem que a China pode ter uma das maiores populações cristãs do mundo.

De acordo com o grupo de ajuda cristã Open Doors, a China é o lar de mais de 97 milhões de cristãos. Esse número é 5 milhões maior do que a contagem oficial de membros do Partido Comunista no país.

Acredita-se que o cristianismo chegou à China primeiro por meio de missionários relacionados à Igreja Assíria do Oriente, ou mais comumente conhecida como Igreja Nestoriana.

A história de sua chegada está parcialmente escrita em uma placa de pedra conhecida como Estela Nestoriana , ou Estela de Xi’an, encontrada na cidade de mesmo nome. De acordo com a tabuinha, os cristãos chegaram à China em 635 DC.

Na virada do milênio, porém, os imperadores chineses trabalharam para reduzir sua influência.

Embora seu status como movimento cristão tenha causado controvérsia significativa, o movimento mais significativo causado em parte por missionários cristãos é o Reino Celestial Taiping, fundado em meados de 1800 por um homem chamado Hong Xiuquan, que alegou ser o irmão mais novo de Jesus de Nazaré.

Os seguidores de Taiping tentaram se separar do império chinês, causando a guerra conhecida como Rebelião Taiping, que ceifou cerca de 20 milhões de vidas entre 1851 e 1864.

Leia também: Aliados da América veem a China, como líder da economia mundial em meio à crise do coronavírus

Desde a conquista da China por Mao Zedong, há mais de 70 anos, os comunistas perseguiram os cristãos e outros fiéis, forçando-os a se conformar ao ateísmo marxista. Essa perseguição piorou sob o atual ditador Xi Jinping, após um período em que a igreja “patriótica” foi autorizada a aparecer, pelo menos nominalmente, como uma organização cristã em público.

Xi proibiu as crianças que frequentam os serviços religiosos ou qualquer reunião religiosa, e tornou-se alvo de fechamento de acampamentos e orfanatos para crianças cristãs. 

Os cristãos mais pobres também enfrentam ameaças de perder ajuda do governo se forem encontrados adorando abertamente, e relatos surgiram de membros do Partido pressionando cristãos rurais para remover cruzes exibidas publicamente e substituí-las por fotos de Xi Jinping.

O Partido Comunista Chinês está tentando reescrever a própria Bíblia para ‘sinicizar’ a doutrina cristã”, disse o secretário de Estado americano, Mike Pompeo, em um discurso no mês passado. “Isso é inaceitável. Isso diminuirá o povo chinês. Queremos coisas boas para eles”.

Traduzido e adaptado por equipe Folha BR
Fonte: Breitbart

ANÚNCIO