Economia para idosos – benefícios e direitos após os 60 anos

A maioria dos idosos brasileiros fazem parte da classe média e usufrui de boas condições de vida, alguns, por terem guardado dinheiro durante um bom tempo, outros, por estarem recebendo com excelência a sua aposentadoria.

ANÚNCIO

Dessa forma, os idosos estão aproveitando a melhor idade, para realizar sonhos e fazer tudo que nunca puderam, por falta de dinheiro ou por falta de tempo. Entre essas atividades estão os estudos, viagens, programas gastronômicos e participar mais da vida dos filhos e dos netos.

Todavia, nem todos os idosos sabem os os seus direitos disponíveis e também não sabem os benefícios que alguns estabelecimentos oferecem.

Idosos
Foto: (reprodução/internet)

Portanto, neste artigo, vamos citar algumas informações importantes para você aproveitar a sua melhor idade, com mais economia e aproveitando alguns direitos que são seus.

Descontos em estabelecimentos ou meia entrada

Algumas pessoas não estão cientes de que os idosos também têm direito à meia entrada, o Estatuto do Idoso garante às pessoas acima de 60 anos o direito ao desconto de 50% em atividades culturais, de lazer e esporte. É só apresentar um documento de identidade com foto na bilheteria do local.

Transporte acessível – gratuidade aos 60 anos

Outro benefício que permite uma economia grande para o dia-a-dia é a gratuidade do transporte público. Diferente dos jovens, que pagam meia passagem. Isso vale para todos os transportes públicos, sendo eles metrô, trem e ônibus.

A gratuidade é assegurada a partir dos 65 anos. Em alguns locais, a gratuidade é a partir dos 60 anos. Esse benefício também abrange ao transporte interestadual, com as seguintes condições: ter pelo menos 60 anos e renda de até dois salários mínimos.

Independentemente do meio de transporte escolhido, sempre serão oferecidas duas vagas gratuitas para esse público. Se já estiverem preenchidas, fica garantido um desconto de 50% na passagem. Neste caso, é preciso ter o Bilhete de Viagem do Idoso.

Assistência social para não aposentados (Loas)

O que quase ninguém sabe, é que o estatuto do idoso oferece um salário mínimo mensal para os idosos acima de 65 anos, que não tem como se sustentar sozinhos. Não é preciso ter contribuído para a Previdência Social neste caso.

Obs: para idosos que ainda não são aposentados

idosos
Foto: (reprodução/internet)

Linhas de crédito especiais

Já os aposentados, beneficiários da Previdência Social, contam com linhas de crédito especiais. Como o valor da prestação é abatido direto do benefício, as taxas de juros são mais baixas. Vale destacar que o crédito consignado não pode comprometer mais do que 30% do valor do benefício.

Tributação diferenciada

Os aposentados acima de 60 anos têm a prioridade para receber a restituição dos impostos. E os que tem mais de 65 anos têm direito a uma parcela mensal isenta de Imposto de Renda.

O IPTU também pode ser gratuito em alguns municípios. Em São Paulo, por exemplo, há isenção do imposto para aposentados e pensionistas que não tenham outro imóvel no município, utilizem o mesmo como residência e comprovem renda mensal de até cinco salários mínimos.

Ações na justiça – gratuidade após os 65 anos

De acordo com a Lei 10.173/2001, pessoas com 65 anos ou mais têm preferência na tramitação de processos judiciais, em qualquer instância.

Habilitação

O Detran-RJ concede isenção da taxa da renovação da carteira de motorista aos aposentados.

Curiosidades

As pessoas com mais de 60 anos movimentam R$ 20 de cada R$ 100 gastos no país. E uma pesquisa mostra que o maior investimento nessa faixa de idade é com as viagens e com a educação.

Em muitos casos os idosos sustentam a família e ainda ensinam uma lição: o melhor investimento não é em ações e fundos, é na educação.

“O idoso responde por quase 20% do consumo nacional. Ele compra cada vez mais produtos relacionados à educação sua e de seus filhos ou netos, começa buscar produtos de tecnologia. Temos um idoso que começa a querer se conectar e estar presente no mundo virtual e também a estudar”, afirma o presidente do Instituto Data Popular Renato Meirelles.