China aumenta punições para laboratórios que escondem doenças infecciosas

ANÚNCIO

O governo chinês aprovou uma “lei de biossegurança”  no domingo, com novos procedimentos e restrições para laboratórios definidas para entrar em vigor em abril. 

laboratório
Foto: (reprodução/internet)

Entre outras medidas, a lei aumenta ostensivamente as penas criminais para instalações médicas e funcionários individuais que “ocultam, informam falsamente, atrasam ou omitem os relatórios de doenças infecciosas”.

ANÚNCIO

Global Times, estatal da China, admitiu que há espaço para melhorias na “governança de biossegurança” após a pandemia de coronavírus que atingiu Wuhan, China, para paralisar o mundo inteiro:

A lei visa melhorar a capacidade da China de governança de biossegurança na prevenção e controle dos principais riscos no campo da biossegurança, incluindo surtos de doenças infecciosas envolvendo animais e plantas, e biossegurança em laboratórios de microbiologia, disseram os especialistas.

Ele surge após controvérsias sobre a gestão de laboratórios biológicos na China e os problemas de distribuição de poder e responsabilidade para diferentes autoridades governamentais revelados durante a epidemia de COVID-19. 

ANÚNCIO

Por exemplo, o Wuhan Institute of Virology, que tem o laboratório de biossegurança de mais alto nível da Ásia, tem estado no centro da controvérsia com alguns questionamentos sobre suas possíveis ligações com o surto de COVID-19. 

Um aspecto da nova lei destacado pelo Global Times é uma penalidade financeira muito maior para a revenda de animais experimentais. 

Uma das muitas teorias para a origem da pandemia de coronavírus especula que animais de laboratório contaminados foram vendidos por dinheiro rápido como carne nos agora infames “mercados molhados” de Wuhan.

Os desafios que enfrentamos em ecologia e saúde humana e a pandemia que o mundo inteiro ainda luta contra todos atuaram como um grande alerta para nós, que a biossegurança tem que ser elevada a uma posição de segurança nacional e protegida pela lei.” Disse um deputado do Congresso Nacional do Povo da China (NPC) ao Global Times.

A Deutsche Welle DW ) relatou no domingo que a nova lei chinesa inclui proteções mais amplas para “denunciantes que divulgam informações sobre emergências de saúde pública como parte de esforços mais amplos para melhorar o tratamento de surtos de doenças“.

Segundo a nova lei de biossegurança, qualquer pessoa que oculte informações, deixe de apresentar relatórios ou impeça que outras pessoas relatem doenças infecciosas pode ser advertida ou suspensa.”

“No caso de uma emergência, os profissionais de saúde podem, de acordo com a nova legislação, relatar os riscos à saúde diretamente ao governo local e não serão punidos se as informações forem falsas”, elaborou DW.

Veja também: Casos COVID-19 globalmente confirmados ultrapassam 40 milhões

abuso opressivo do governo chinês aos primeiros denunciantes na epidemia de coronavírus de Wuhan foi um grande escândalo nacional e internacional.

Como observou DW , grande parte da nova lei de biossegurança se parece com controle de danos, um esforço para assegurar aos parceiros de negócios estrangeiros que as lições foram aprendidas com o desastre de Wuhan – sem realmente admitir que o governo chinês fez algo errado.

Traduzido e adaptado por equipe Folha BR
Fontes: Newsweek

ANÚNCIO