A mídia chinesa afirma que há risco de guerra com a ascensão de Taiwan

ANÚNCIO

A presidenta taiwanês, Tsai Ing-wen, disse no sábado que a democracia da ilha está fortalecendo suas defesas contra uma potencial invasão chinesa, mas também pediu um “diálogo significativo” com Pequim, que reivindica o país como seu próprio território.

soldado preparado para guerra
Foto: Reprodução/internet

Tsai – líder do Partido Progressista Democrático liberal pró-independência e reeleita para um segundo mandato em janeiro – adotou um tom suave e conciliador em seu discurso para marcar o Dia Nacional de Taiwan. 

ANÚNCIO

O discurso foi feito após um mês de exercícios militares chineses no estreito de Taiwan, que separa os dois países.

Veja também: Kim Jong Un diz que a Coreia do Norte mobilizará força nuclear se ameaçada

Mas a mídia apoiada pelo Estado chinês rejeitou o apelo de Tsai à diplomacia, com o jornal nacionalista Global Times liderando as críticas. 

O jornal disse que Tsai tentou “enganar” o mundo com seu discurso e declarou que o risco de guerra aumentou “acentuadamente” nos últimos meses.

ANÚNCIO

O Partido Comunista Chinês reivindica a posse de Taiwan sob sua política de “Uma China” e prometeu assumir o controle da ilha pela força se os meios diplomáticos falharem. Taiwan – oficialmente chamada de República da China – é independente desde o fim da Guerra Civil Chinesa como o último bastião das forças nacionalistas derrotadas.

Tsai disse no sábado que seu governo “não agirá precipitadamente” e está “comprometido em manter a estabilidade através do Estreito“.

Ela disse que está “disposta a trabalhar em conjunto para facilitar um diálogo significativo” com Pequim, apesar das tensões recentes sobre a pandemia do coronavírus, a repressão chinesa de ativistas pró-democracia em Hong Kong, a opressão de grupos muçulmanos minoritários em Xinjiang e os exercícios militares em curso em o Estreito de Taiwan.

Mas o Global Times propriedade do jornal People’s Daily, que é o jornal oficial do Partido Comunista Chinês (PCC) – disse que a situação regional “está se deteriorando seriamente” em um editorial publicado no domingo.

O Global Times acusou Tsai de “utilizar a ideia de facilitar o diálogo como um ‘ramo de oliveira’ como uma tática de retardamento, na tentativa de enganar a comunidade internacional por simpatia“, e considerou sua administração “um bando de políticos oportunistas“.

O jornal, frequentemente usado para transmitir o sentimento mais beligerante de dentro do PCC, elogiou os recentes exercícios militares da China na área “como uma clara advertência contra movimentos de forças que buscam a ‘secessão’“, uma referência ao movimento pró-independência em Taiwan .

Devido à provocação das autoridades de Tsai, o risco de guerra está aumentando drasticamente e as autoridades de Tsai estão à beira do precipício“, acrescentou o jornal.

O Global Times também publicou imagens de um recente exercício de pouso anfíbio do Exército de Libertação do Povo no Estreito de Taiwan, descrevendo o exercício como evidência da “forte capacidade e vontade firme do continente contra os separatistas de Taiwan e pressão pela reunificação“.

Os exercícios apresentaram destacamentos concentrados de veículos aéreos, de superfície e terrestres não tripulados, o que aumentará significativamente a eficiência do PLA em assumir o controle de uma ilha”, acrescentou o relatório.

O continente chinês claramente ganhou vantagem“, dizia o editorial do jornal. “Ele está fazendo preparativos completos em nível de combate para um possível conflito militar para atingir as forças separatistas de Taiwan. Não é apenas um blefe.

Os EUA têm um compromisso implícito de ajudar a defender Taiwan contra a invasão chinesa, de acordo com a Lei de Relações com Taiwan de 1979. 

Leia também: Novo míssil de Kim Jong Un pode dominar os sistemas de defesa dos EUA

Washington não reconhece oficialmente Taiwan, mas há muito apóia a independência da ilha por meio da venda de armas, para irritação de Pequim.

O conselheiro de Segurança Nacional Robert O’Brien disse na semana passada que os taiwaneses deveriam “se transformar em porco-espinho” porque “os leões geralmente não gostam de comer porco-espinho“, referindo-se à pressão chinesa.

O Global Times acusou Taipei de “coordenação total com a nova política dos EUA para conter o continente chinês“. Ele acrescentou: “As autoridades de Tsai se tornaram completamente hostis ao continente chinês, e este problema não pode mais ser resolvido por meio do diálogo. A força malévola pode ter que ser subjugada por meios militares.”

Traduzido e adaptado por equipe Folha BR
Fonte: News Week

ANÚNCIO