Israel deve pagar US $ 2,7 milhões por um homem que diz que não deveria ter nascido

ANÚNCIO
Israel deve pagar US $ 2,7 milhões por um homem que diz que não deveria ter nascido
Foto: (reprodução/internet)

Israelense deficiente ganhou processo de ‘nascimento ilícito’ contra estado

Um israelense deficiente ganhou um processo de “nascimento ilícito” contra o estado e uma organização de manutenção da saúde – e receberá US $ 2,7 milhões em danos, de acordo com um relatório.

Um tribunal decidiu que os médicos foram negligentes durante a gravidez da mãe do jovem de 27 anos ao não detectar defeitos congênitos emergentes durante os testes de rotina, informou o Times of Israel .

ANÚNCIO

Veja também: Semana passada EUA teve recorde de crianças infectadas com COVID-19

A ação foi ajuizada pelo irmão e responsável legal do homem, que tem paralisia cerebral e deficiência intelectual grave, segundo o veículo. Ele também foi diagnosticado com esquizofrenia depois que sua mãe morreu em 2011.

Os médicos do Galilee Medical Center e do Clalit HMO também não informaram à mãe de 43 anos – que também sofria de esquizofrenia – sobre a opção de abortar o feto, de acordo com a ação.

ANÚNCIO

A mulher, cuja gravidez não foi planejada, já havia dado à luz cinco filhos, dois dos quais morreram na infância – um por afogamento aos 6 anos de idade e um por síndrome da morte súbita infantil. Seu marido morreu em 2017.

De acordo com a ação, o HMO deixou de monitorar o feto e realizar o teste genético de maneira adequada, enquanto o hospital foi negligente em mandar a mulher para casa quando ela buscou interromper a gravidez.

Fique por dentro: Coreia do Sul levanta alerta de invasão após atividade na fronteira ser vista com os olhos do mundo nas eleições nos EUA

Em 2012, a Suprema Corte israelense fez uma distinção entre ações judiciais de “nascimento ilícito”, quando os pais processam as autoridades, e casos de “vida ilícita”, quando os filhos ou seus tutores processam.

O caso do homem deficiente foi aceito como uma alegação de “nascimento ilícito”, embora seus pais não estejam mais vivos.

Traduzido e adaptado por equipe Folha BR
Fonte: New York Post

ANÚNCIO