Interferência eleitoral do Irã é uma tentativa ‘desesperada’ dos EUA de minar as eleições, diz Teerã

ANÚNCIO

A missão iraniana às Nações Unidas em Nova York rejeitou os relatórios americanos de que Teerã tem se intrometido na próxima eleição presidencial, julgando as alegações “absurdas” e uma tentativa de minar a votação.

EUA trump e irã
Foto: (reprodução/internet)

O Diretor de Inteligência Nacional, John Ratcliffe, deu uma entrevista coletiva na quarta-feira em que acusou a Rússia e o Irã de obter dados de registro de eleitores para tentar minar a eleição de novembro.

ANÚNCIO

Teerã enviou e-mails ameaçadores para democratas registrados se passando pelo grupo de direita

Ratcliffe disse que Teerã havia enviado e-mails ameaçadores para eleitores democratas registrados se passando pelo grupo de supremacia branca Proud Boys.

Proud Boys é um grupo de direita que regularmente se envolve em violência de rua contra manifestantes esquerdistas, progressistas e antifascistas.

O presidente Donald Trump se recusou a condenar os Proud Boys e outros grupos de supremacia branca durante o primeiro debate da eleição presidencial.

ANÚNCIO

Os e-mails, de acordo com Ratcliffe – um veemente aliado de Trump que foi nomeado DNI em maio – foram “projetados para intimidar eleitores, incitar a agitação social e prejudicar” as chances de reeleição de Trump.

Ele também disse que o Irã havia enviado um vídeo sugerindo que as pessoas “poderiam dar cédulas fraudulentas, mesmo do exterior“.

Ratcliffe não disse como a Rússia usou as informações. O diretor do FBI, Christopher Wray, no entanto, advertiu no mês passado que o Kremlin estava espalhando desinformação para “denegrir” o candidato democrata Joe Biden.

Alireza Miryousefi, porta-voz da missão iraniana na ONU em Nova York, considerou a entrevista coletiva de Ratcliffe uma tentativa “desesperada” de minar o voto.

Ao contrário dos EUA, o Irã não interfere nas eleições de outros países“, disse Miryousefi. “O mundo tem testemunhado as próprias tentativas desesperadas do público dos EUA de questionar o resultado de suas próprias eleições no mais alto nível.

Essas acusações nada mais são do que outro cenário para minar a confiança do eleitor e são absurdas. O Irã não tem interesse em interferir nas eleições dos EUA e não tem preferência pelo resultado. Os EUA devem encerrar suas acusações malignas e perigosas contra o Irã.”

Trump e seus aliados têm espalhado teorias da conspiração sobre fraude eleitoral e os perigos das cédulas pelo correio.

O presidente afirmou repetidamente que a eleição será fraudada contra ele – não oferecendo nenhuma evidência para apoiar a afirmação – e se recusou a dizer que honraria o resultado.

Fique por dentro: O Irã está interferindo nas eleições dos EUA, intimidando eleitores para ferir Trump

O Irã espera uma vitória de Biden e alívio da difícil estratégia de sanções de “pressão máxima” de Trump, que deixou a economia de Teerã cambaleando e seu líder sem dinheiro.

Outros quatro anos de Trump seriam extremamente caros para o regime, que está lutando para suprimir a pandemia de coronavírus COVID-19 e os protestos em massa.

Mesmo assim, o presidente iraniano, Hassan Rouhani, disse na quarta-feira que quem quer que vença “não terá outra escolha a não ser se render à nação iraniana“.

Legisladores e funcionários da inteligência há muito alertam que os adversários dos Estados Unidos – incluindo Rússia, Irã e China – tentam se intrometer nas eleições americanas.

Ainda assim, o Senado controlado pelo Partido Republicano liderado pelo líder da maioria, o senador Mitch McConnell, apresentou vários projetos de lei de segurança eleitoral propostos pelos democratas.

Traduzido e adaptado por equipe Folha BR
Fontes: NewsWeek

ANÚNCIO