Turquia preparada para testar mísseis russos S-400 que causaram polêmica nos Estados Unidos

ANÚNCIO

A Turquia parece pronta para testar seu sistema de mísseis antiaéreos S-400 russo, que abriu espaço entre Ancara e Washington, DC, de acordo com vários relatórios e um alerta da Organização de Aviação Civil Internacional sobre testes de armas iminentes perto do Mar Negro.

missil s-400
Foto: Reprodução/internet

O “aviso aos aviadores” da OACI turco observou: “O disparo de mísseis ocorrerá” a uma altitude de 200.000 pés entre 13 e 16 de outubro perto da cidade costeira de Sinop no Mar Negro.

ANÚNCIO

Leia também: Rússia atingida pela segunda onda de Covid com recorde de infecções e aumento de mortes

Outro comunicado disse que algumas rotas locais da aviação civil serão fechadas durante o exercício de mísseis, com veículos aéreos não tripulados configurados para serem usados ​​na área.

O Turkish Minute foi o primeiro a vincular os avisos ao sistema de mísseis S-400 da Turquia, adquirido da Rússia no ano passado.

O site de notícias disse ter visto um documento detalhando os testes do S-400 no Sinop Missile Range entre 5 e 16 de outubro. Datado de 24 de setembro, o documento dizia que 10 alvos aéreos Banshee serão enviados para o intervalo para serem usados ​​nos testes.

ANÚNCIO

Os testes serão “para garantir a capacidade de engajamento do sistema de armas S-400, a capacidade de detecção e rastreamento dos radares do sistema, as capacidades do sistema de comunicações e o controle das capacidades de controle de disparo e comando”, disse o documento, de acordo com para minuto turco.

Bloomberg mais tarde apoiou o relatório, citando “pessoas familiarizadas com o assunto”. O site disse que a Força Aérea não ativará as baterias, mas que os exercícios testarão o equipamento e a prontidão do pessoal.

O S-400 entrou em serviço na Rússia em 2007.

O maior alcance de seus quatro mísseis viaja tão rápido quanto Mach 15 e pode atingir alvos a uma distância de 250 milhas e uma altitude de mais de 98.000 pés.

É amplamente considerado um dos, senão o mais avançado sistema operacional antiaéreo do mundo.

A Turquia recebeu sua primeira entrega S-400 em setembro, após anos de esforços americanos para anular o acordo de 2017 para o sistema, que custou à Turquia cerca de US $ 2,5 bilhões.

Os EUA temiam que a integração da tecnologia russa pela Turquia em suas forças armadas ajudasse Moscou a reunir inteligência sobre as capacidades da OTAN, em particular detalhes ultrassecretos do jato furtivo F-35.

A Turquia foi um dos parceiros estrangeiros envolvidos no programa F-35 e deveria encomendar 116 aeronaves a um custo relatado de cerca de US $ 11 bilhões. Os EUA expulsaram a Turquia do programa no ano passado, depois que o acordo com o S-400 foi adiante, citando a ameaça que o sistema representava para a segurança dos EUA e da OTAN.

Fique por dentro: Aliados da América veem a China, como líder da economia mundial em meio à crise do coronavírus

O Departamento de Estado disse estar “ciente desses relatórios” relacionados a um teste turco iminente. “Continuamos a objetar veementemente à compra do sistema de defesa aérea S-400 pela Turquia e estamos profundamente preocupados com relatos de que a Turquia continua seus esforços para colocar o S-400 em operação“, disse um porta-voz ao jornal grego Kathimerini.

Além da Turquia, China e Bielo-Rússia já possuem o S-400. A Índia concordou em um acordo para a compra de S-400s – provocando ameaças de sanções americanas – enquanto a Arábia Saudita também está em negociações com Moscou sobre o sistema.

No início deste mês, o embaixador da Rússia no Irã disse que Moscou pode vender o sistema S-400 para Teerã, se solicitado quando o embargo de armas das Nações Unidas ao Irã expirar no final deste mês.

Traduzido e adaptado por equipe Folha BR
Fonte: Newsweek

ANÚNCIO