Início Notícias

Rússia diz que os EUA ‘constroem’ forças perto da fronteira, aumentando as tensões

ANÚNCIO

Os militares da Rússia acusaram a aliança militar ocidental da OTAN, liderada pelos Estados Unidos, de buscar um aumento militar desestabilizador perto das fronteiras entre seus estados membros, a Rússia e Bielo-Rússia, uma acusação que a coalizão de 30 membros nega.

força EUA lançando míssil rússia
Foto: (reprodução/internet)

O ministro da Defesa russo, Sergei Shoigu, juntou-se ao seu homólogo bielorrusso, Viktor Khrenin, por meio de um link virtual, para uma reunião conjunta do conselho da aliança de Estados-União dos dois países.

ANÚNCIO

Shoigu reafirmou o compromisso da Rússia com a segurança da Bielo-Rússia, que tem sido assolada por agitação política desde a disputada reeleição do presidente Alexander Lukashenko em agosto, e se concentrou na pressão externa exercida sobre Minsk por seus vizinhos ocidentais.

Uma situação desconfortável permanece nas fronteiras ocidentais do Estado da União, onde a Otan continua construindo sua presença avançada”, disse Shoigu, de acordo com uma leitura do Ministério da Defesa russo.

As movimentações militares

Ele disse que os membros da OTAN estão aumentando suas capacidades militares nas portas da Rússia e da Bielo-Rússia, onde Moscou expressou preocupação com um sistema de mísseis global sendo desenvolvido pelos Estados Unidos.

ANÚNCIO

“A infraestrutura militar da Aliança está sendo melhorada bem nas nossas fronteiras, e suprimentos de material e equipamento técnico, armas e equipamento militar estão sendo criados”, disse Shoigu. “O segmento da suposta defesa antimísseis americana, cujos lançadores podem ser usados ​​para armas de ataque, está aumentando.”

Moscou há muito tempo condenou a implantação de defesas Aegis Ashore pelo Pentágono usando hardware semelhante aos sistemas de mísseis de médio alcance dos EUA que estavam sendo ativamente desenvolvidos após a saída de Washington no ano passado do Tratado de Forças Nucleares de Alcance Intermediário (INF) de 1987.

E mesmo com a COVID-19 forçando as forças armadas ao redor do mundo a tomar medidas de precaução para conter a propagação da doença, Shoigu disse que a Otan está acelerando suas manobras perto da fronteira.

“Apesar da pandemia, a intensidade dos exercícios militares do bloco não está diminuindo”, disse.

Em um comunicado enviado à Newsweek , um oficial da OTAN rejeitou a caracterização de Shoigu. “A OTAN não representa uma ameaça para a Bielo-Rússia e não tem nenhum reforço militar na região“, disse o oficial. “Nossa postura é estritamente defensiva.”

O oficial disse que os exercícios em andamento perto da Bielo-Rússia são rotineiros, pré-planejados e nada têm a ver com o conflito civil dentro do aliado russo.

“Estamos continuando nossa programação regular de exercícios”, disse o funcionário. “Isso inclui o exercício anual Brilliant Jump, planejado há muito tempo, que envolverá a movimentação de elementos de nossa ‘Força de Lança’ de alta prontidão para a Lituânia no final de outubro e início de novembro.”

“Este exercício é rotineiro e não está relacionado aos desenvolvimentos na Bielo-Rússia; o planejamento começou em meados -2019”, acrescentou.

O funcionário disse também que a OTAN havia informado antecipadamente a Organização para a Segurança e Cooperação na Europa, da qual Moscou e Minsk são membros.

“A OTAN está fortemente comprometida com a transparência e redução de risco, e o exercício foi notificado com antecedência à OSCE”, disse o funcionário. “A OTAN permanece vigilante, estritamente defensiva e pronta para deter qualquer agressão contra os Aliados da OTAN.”

A OTAN negou repetidamente as alegações da Rússia e da Bielo-Rússia de que suas forças estavam se reunindo na fronteira com os países aliados do Leste Europeu.

Autoridades da Letônia, Lituânia e Polônia – nações da OTAN que fazem fronteira com a Rússia e a Bielo-Rússia – expressaram que estavam monitorando a fronteira para atividades militares e expressaram preocupação quanto à situação no país enquanto Lukashenko reprimia as manifestações.

O Comando Europeu dos EUA (EUCOM) também disse mês passado que estava assistindo exercícios conjuntos russo-bielo-russos sendo conduzidos como parte dos exercícios anuais da Fraternidade Eslava.

Washington consultou Moscou e parceiros europeus sobre a situação na Bielo-Rússia. A questão surgiu durante as discussões telefônicas na sexta-feira entre o Secretário de Estado Mike Pompeo e o Alto Comissário das Relações Exteriores da UE Josep Borrell.

Os homens “exortaram as autoridades bielorrussas a se engajarem em um diálogo significativo com verdadeiros representantes da sociedade civil, em particular com o Conselho de Coordenação estabelecido por Sviatlana Tsikhanouskaya”, disse uma leitura do Departamento de Estado, referindo-se ao oponente de Lukashenko, que tentou pressionar o Líder de 26 anos fora do cargo em uma campanha apoiada pelo Ocidente.

“A UE e os Estados Unidos reiteraram seu forte apoio à independência e soberania da Bielo-Rússia“, dizia a declaração dos EUA.

Shoigu alertou na terça-feira contra a interferência estrangeira nos assuntos soberanos da Bielo-Rússia.

“Isso é especialmente importante no contexto de instabilidade global em curso, quando a desconfiança nas relações interestaduais está crescendo, tentativas estão sendo feitas para minar os fundamentos do direito internacional e os interesses dos Estados soberanos estão sendo ignorados”, disse Shoigu.

“Usando as tecnologias das revoluções coloridas, os Estados Unidos e seus satélites intensificam as tensões e minam a situação política interna em vários países”, acrescentou.

Moscou e Minsk expressaram preocupação com as revoluções coloridas que buscam desmantelar a antiga esfera de influência soviética sob o pretexto de levantes democráticos.

O Ministério da Defesa da Bielorrússia disse na terça-feira que “o objetivo principal da reunião era organizar o trabalho prático para criar e fortalecer o potencial militar conjunto necessário para enfrentar os desafios militares e ameaças dirigidas contra o Estado da União”.

Naquele mesmo dia, os principais diplomatas dos dois países falaram.

O ministro das Relações Exteriores da Rússia, Sergey Lavrov “reafirmou seu apoio à iniciativa da liderança bielorrussa de realizar uma reforma constitucional no interesse de uma rápida normalização da situação no país”, segundo o Ministério das Relações Exteriores da Rússia.

O lado do ministro das Relações Exteriores da Bielo-Rússia, Vladimir Makei, observou que “questões atuais da cooperação e integração russo-russa foram discutidas”, incluindo mecanismos internacionais e medidas de controle de armas.

Enquanto os proponentes dos esforços de não proliferação comemoravam desenvolvimentos recentes que logo veriam o Tratado de Proibição de Armas Nucleares entrar em vigor em 21 de janeiro, outro acordo crucial foi definido para expirar logo depois – o Novo Tratado de Redução de Armas Nucleares Estratégicas EUA-Rússia ( Novo começo).

O acordo, o terceiro de uma série de medidas bilaterais de controle de armas que limitam os arsenais estratégicos dos dois países desde 1991, vai expirar em 4 de fevereiro, marcando o colapso do último acordo de armas nucleares entre Washington e Moscou pela primeira vez em meio século.

Os EUA estão buscando um tratado novo e mais abrangente envolvendo mais sistemas de armas e outros países, como a China, que rejeitou o envolvimento devido ao seu estoque nuclear muito menor. Essas demandas e outras pré-condições frustraram o lado russo.

Em sua última oferta, o presidente russo Vladimir Putin propôs uma prorrogação imediata de um ano envolvendo a suspensão temporária da produção de ogivas nucleares. O Departamento de Estado recebeu a mensagem positivamente, mas nenhum progresso foi anunciado.

Enquanto os dois lados lutavam no início deste mês, o embaixador russo nos Estados Unidos, Anatoly Antonov, alertou sobre uma “profunda crise de confiança” em comentários enviados à Newsweek pela embaixada de Moscou em Washington.

Ele expressou esperança de que os EUA “não busquem vantagem militar sobre a Rússia” nem tentem “obter vantagens unilaterais significativas na esfera política militar”.

Como Shoigu, ele também listou os sistemas de mísseis dos Estados Unidos logo além das fronteiras da Rússia como a principal preocupação de Moscou.

Traduzido e adaptado por equipe Folha BR
Fonte: Newsweek
ANÚNCIO