Rússia alerta para ‘crise profunda’ nos laços com os EUA, enquanto o medo da corrida armamentista atrapalha as negociações do tratado nuclear

ANÚNCIO

A Rússia teme que a falta de confiança no relacionamento do país com os Estados Unidos possa impedir que as duas maiores potências nucleares do mundo avancem com os planos de estender seu último tratado de armas nucleares.

diplomata da russia Sergei Ryabkov
Foto: Reprodução/internet

A inquietação de Moscou é intensificada pelas suspeitas de que Washington está tentando minar Moscou militarmente, disse o embaixador da Rússia nos Estados Unidos, disse Anatoly Antonov.

ANÚNCIO

Leia também: Mike Pompeo exorta sauditas a normalizar laços com Israel

Antonov disse que a Rússia e os EUA continuam em desacordo sobre suas tentativas de renovar o Novo Tratado de Redução de Armas Estratégicas (Novo Começo).

O acordo limita os estoques nucleares de ambos os países e permite medidas de verificação mútua.

A proximidade das eleições nos Estados Unidos aumenta o estresse, mas essas diferenças, argumentou, revelam desafios mais arraigados atualmente enfrentados pela relação EUA-Rússia.

ANÚNCIO

Estamos preocupados com a profunda crise de confiança nas relações entre as duas principais potências nucleares“, acrescentou Antanov.

O progresso na extensão do Novo START, que deveria expirar em 22 de fevereiro, seria vital para os laços já desgastados entre os EUA e a Rússia, assim como qualquer tentativa de Washington de explorar as negociações a fim de pressionar Moscou.

Precisamos lembrar que as questões estratégicas sempre foram a pedra angular de nossas relações em quaisquer circunstâncias“, acrescentou ele. “Esperamos que os Estados Unidos sigam uma política que não busque vantagem militar sobre a Rússia.

O escopo dessa desconfiança se tornou aparente na terça-feira, quando surgiu a confusão sobre se havia ou não progresso entre as duas partes na extensão do acordo. 

O alvoroço foi causado por comentários feitos pelo enviado presidencial especial dos EUA, Marshall Billingslea, em um evento virtual organizado pela Heritage Foundation.

Billingslea disse que a administração do presidente Donald Trump estava “disposta a estender o Novo Tratado START por algum tempo” se ambos os países “concordassem com uma limitação ou congelamento de seu arsenal nuclear“.

Ele então revelou que ele e sua equipe “acreditam que existe um acordo de princípio nos níveis mais altos de nossos dois governos“, uma opinião de um funcionário do Departamento de Estado.

Estou esperançoso de que esse tipo de acordo de cavalheiros – aquele acordo que acreditamos ter sido alcançado nos níveis mais altos – precisará, em última instância, se infiltrar em seu sistema para que minha contraparte seja autorizada a negociar“, disse Billingslea.

A observação foi rapidamente rejeitada pelo vice-ministro das Relações Exteriores da Rússia, Sergei Ryabkov, que disse considerar a posição de “congelamento” nuclear de Washington como “inaceitável” para Moscou em uma entrevista à RIA Novosti.

Ele argumentou que foi Billingslea quem foi desconectado de sua liderança, e alertou contra qualquer tentativa de postura antes da votação dos EUA em novembro.

Se os americanos precisarem relatar a seus superiores algo sobre o qual supostamente concordaram com a Federação Russa antes das eleições, eles não o receberão“, disse Ryabkov.

Embora os dois lados continuassem a disputar sobre o Novo START, o presidente russo Vladimir Putin anunciou no ano passado que estava disposto a estender o tratado imediata e incondicionalmente. 

Veja também: Mais de 80 grupos criticam a ONU por eleger Cuba para o Conselho de Direitos Humanos

Ele reiterou essa posição no mês passado na Assembleia Geral das Nações Unidas.

O governo Trump, por outro lado, está pressionando para estabelecer um pacto maior envolvendo armas novas e mais modernas desenvolvidas desde o acordo de 2010 e seu predecessor de 1991, assinado nos últimos dias da União Soviética. 

A Casa Branca também busca envolver outros países, incluindo a China, que rejeitou veementemente a participação devido ao seu arsenal nuclear muito menor.

Procurado para comentar, um funcionário do Departamento de Estado encaminhou ao secretário de Estado Mike Pompeo, os comentários aos repórteres na quarta-feira.

Esperamos que o Partido Comunista Chinês também venha a ver que esse tipo de trabalho, esse tipo de trabalho diligente, para diminuir o risco, para tirar a instabilidade do mundo inteiro a partir dessas armas muito perigosas, dessas armas nucleares que podem se proliferar de forma facilmente e você pode acabar com um dia muito ruim“, disse Pompeo.

O principal diplomata dos EUA disse esperar que Washington e Moscou alcancem “uma extensão do Novo START e um resultado que beneficie o mundo inteiro, maior estabilidade das armas mais perigosas do mundo”.

Reconhecendo esse mesmo risco, Antonov exortou ambos os lados a priorizar a preservação de um marco da arquitetura global de não proliferação.

“Não podemos destacar apenas um problema e esquecer a necessidade de encontrar um compromisso em todos os fatores-chave de estabilidade estratégica”, disse ele. “Precisamos de uma fórmula de estabilidade com direitos e obrigações iguais.

O fracasso em renovar o acordo seguir-se-ia ao colapso do Tratado de Forças Nucleares de Alcance Intermediário (INF) de 1987 e ao colapso do Tratado de Mísseis Antibalísticos (ABM) de 1972, deixando Washington e Moscou sem restrições bilaterais de armas nucleares para primeira vez em quase meio século. Isso, disse a fonte da embaixada russa, não atendia aos interesses dos EUA nem da Rússia.

O principal interesse comum da Rússia, dos Estados Unidos e do mundo inteiro é manter a estabilidade estratégica, evitar uma corrida armamentista e reduzir o risco de incidentes militares”, explicou Antonov. 

Com a erosão da arquitetura de segurança internacional que se moldou nos últimos 50 anos e serviu para evitar que a Guerra Fria se transformasse em calor, é particularmente importante manter o regime de transparência e medidas de fortalecimento da confiança em áreas estratégicas de acordo com o Tratado Novo Começo.

A Rússia teme que uma corrida armamentista já tenha ocorrido.

Em 2018, Putin descreveu a morte do ABM como o momento em que uma corrida armamentista do século 21 começou entre a Rússia e os EUA.

O líder russo, no poder por mais de duas décadas, prometeu não cometer os erros de seus antecessores soviéticos ao obter arrastado para um empreendimento tão caro enquanto seu governo luta para manter o Novo START.

Antonov descreveu as consultas em andamento com a equipe de Billingslea sobre o acordo como “práticas, úteis, destinadas a um acordo” e esperava novas rodadas de negociações. 

Ao mesmo tempo, a fonte lembrou o que estaria em jogo se os EUA tentassem mais uma vez minar as defesas russas.

O resultado potencial pode ser muito sensível e delicado“, disse Antonov. “Para atender aos interesses dos EUA e da Federação Russa, não deve haver lugar para qualquer tentativa de obter vantagens unilaterais significativas na esfera política militar.

Os EUA já tomaram medidas consideradas pela Rússia como prejudiciais à sua segurança nacional.

Após a queda do ABM, os EUA começaram a implantar defesas avançadas na Europa Oriental. 

Aqui, as autoridades de Moscou há muito acusam Washington de contornar os compromissos da INF, que proíbe armas lançadas em terra variando entre 310 e 3.420 milhas, implantando sistemas antimísseis com tecnologia semelhante a lançadores ofensivos e drones.

Como contraponto, os EUA acusaram a Rússia de lançar um míssil de cruzeiro destruidor de INF, o Novator 9M729. 

Fique por dentro: Governador de NJ diz que o surto de COVID-19 não está relacionado ao evento de Trump em Bedminster

O governo Trump também acusou Moscou e Pequim de tentarem armaizar o espaço, enquanto vetam seus esforços conjuntos para instituir uma proibição da ONU às armas baseadas no espaço, outro desenvolvimento que atraiu a ira de Moscou.

As principais preocupações da Rússia são o sistema global de defesa antimísseis, o desenvolvimento de armas ofensivas estratégicas não nucleares no âmbito do conceito de um ataque global, as crescentes ameaças de armas implantadas no espaço, os desequilíbrios quantitativos e qualitativos nas armas convencionais na Europa e assim por diante“, disse Antonov.

Com essas preocupações em mente, ele acrescentou: “Estamos prontos para continuar as consultas intensivas para encontrar soluções para esses fatores-chave de estabilidade estratégica.

Traduzido e adaptado por equipe Folha BR
Fonte: Newsweek

ANÚNCIO