Rússia atingida pela segunda onda de Covid com recorde de infecções e aumento de mortes

ANÚNCIO

A Rússia registrou um de seu maior número de novos casos de COVID-19, à medida que novas infecções aumentam pelo segundo mês consecutivo, em meio a alertas de escassez de leitos hospitalares e transbordamento de necrotérios durante a segunda onda da pandemia.

Dados divulgados na quarta-feira mostraram que houve 11.115 novos casos da doença em 24 horas. Isso foi apenas 500 a menos do que o número de terça-feira, cuja contagem foi a segunda maior desde o início da pandemia – e apenas 41 a menos do que o recorde de 11.656 em 11 de maio.

ANÚNCIO

Ele eleva o número oficial de casos na Rússia para 1.248.619, tornando-o o quarto país mais afetado pela doença no mundo.

Fique por dentro: Cartão SUS no celular – Saiba como baixar e utilizar

Enquanto isso, surgiu uma discrepância no número de mortos desde o início da pandemia listada pela força-tarefa russa contra o coronavírus e aquela listada nos números oficiais do governo.

pandemia covid 19
Foto: Reprodução/internet

Números esta semana da agência estatal de estatística Rosstat e relatados pela Bloomberg, mostraram que 45.663 pessoas com teste positivo para a doença até o final de agosto morreram.

ANÚNCIO

Isso incluiu mortes diretamente pela doença e casos em que ela foi listada como uma “condição importante” que causou a morte.

Isso é mais que o dobro do número oficial de mortes na quarta-feira de 21.865, um número cuja precisão foi questionada por especialistas e pela Organização Mundial de Saúde e daria à Rússia uma das menores taxas de mortalidade do mundo.

Em Moscou, que é o epicentro da pandemia no país, os alunos de instituições educacionais privadas foram orientados a ficar em casa por duas semanas, informou a RIA Novosti.

Leia também: App PIS/PASEP – Descubra como baixar

Enquanto isso, o prefeito de Moscou, Sergei Sobyanin, reabriu dois hospitais temporários para tratar pacientes à medida que as preocupações aumentam em todo o país com o aumento da taxa de infecções, informou a Interfax.

O centro de pesquisa Gamaleya fora de Moscou, que desenvolveu a vacina Sputnik V defendida pelo presidente russo Vladimir Putin , defendeu sua pesquisa dizendo em uma carta publicada pelo Lancet que iria compartilhar os dados brutos com outros pesquisadores se eles recebessem um pedido formal.

No entanto, o The Moscow Times informou que os cientistas russos não compartilharam os dados por trás do ensaio clínico da droga.

Enquanto isso, um grupo de 37 cientistas de todo o mundo redigiu uma carta aberta questionando os resultados do tratamento com a droga.

Traduzido e adaptado por equipe Folha BR
Fonte: Newsweek

ANÚNCIO