Remdesivir tem pouco efeito na cura de COVID-19, diz a OMS

ANÚNCIO

A droga antiviral remdesivir – que o presidente Trump recebeu durante sua recente luta com o coronavírus – não tem efeito significativo nas chances de sobrevivência dos pacientes, de acordo com um relatório sobre um ensaio clínico da Organização Mundial de Saúde.

remdesivir vacina covid
Foto: Reprodução/internet

Os resultados do ensaio Solidariedade da OMS, que estudou o remdesivir e três outros esquemas de medicamentos em potencial, descobriram que nenhum deles “afetou substancialmente a mortalidade” ou reduziu a necessidade de um ventilador, relatou o Financial Times , que obteve uma cópia do relatório.

ANÚNCIO

O estudo de 11.266 pacientes hospitalizados incluiu hidroxicloroquina e uma combinação de medicamentos anti-HIV de lopinavir / ritonavir – que foram interrompidos em junho depois que se mostraram ineficazes – e interferon.

Esses regimes de remdesivir, hidroxicloroquina, lopinavir e interferon parecem ter pouco efeito sobre a mortalidade hospitalar”, concluiu o estudo, de acordo com o Financial Times.

O remdesivir foi desenvolvido pela farmacêutica norte-americana Gilead Sciences, inicialmente como um medicamento potencial para tratar o ebola.

ANÚNCIO

Ele recebeu aprovação parcial para uso depois que um teste do National Institutes of Health dos Estados Unidos em abril mostrou que ele reduziu o tempo de recuperação do coronavírus de 15 para 11 dias.

Em julho, a empresa divulgou dados adicionais sugerindo que o tratamento pode reduzir a probabilidade de morte, mas essa descoberta não foi confirmada em um ensaio clínico randomizado, informou o meio de comunicação.

Estamos cientes de que os dados iniciais do estudo Solidariedade da Organização Mundial da Saúde foram divulgados antes da publicação em um jornal revisado por pares”, disse Gilead em resposta a um pedido de comentário.

Os dados emergentes parecem inconsistentes com evidências mais robustas de vários estudos randomizados e controlados que validam o benefício clínico de [remdesivir].”

Após a publicação do artigo do Financial Times, a OMS disse em um comunicado que o ensaio “gerou evidências conclusivas” sobre a eficácia dos medicamentos reutilizados para o tratamento do COVID-19.

O progresso alcançado pelo ensaio terapêutico Solidariedade mostra que grandes ensaios internacionais são possíveis, mesmo durante uma pandemia, e oferecem a promessa de responder de forma rápida e confiável a questões críticas de saúde pública relativas à terapêutica”, disse.

A OMS recomendou o uso de esteróides para pacientes com casos graves da doença.

As descobertas da OMS significam que o único medicamento comprovado que aumenta as taxas de sobrevivência ao coronavírus é o esteróide dexametasona amplamente disponível – que Trump também recebeu além de um coquetel de anticorpos Regeneron , de acordo com o relatório.

Leia também: Barron Trump também contratou COVID-19, revela Melania Trump

Os resultados para os quatro medicamentos do estudo do Solidariedade visto pelo meio de comunicação cobrem o período de março ao início de outubro.

A parte do remdesivir do estudo envolveu 2.750 pacientes que receberam o tratamento por 10 dias, com 200mg entregues no primeiro dia e 100mg nos dias subsequentes.

Andrew Hill, pesquisador visitante sênior do Departamento de Farmacologia da Universidade de Liverpool, disse que um estudo tão grande quanto o Solidariedade “deverá mostrar um benefício de sobrevivência (para o medicamento, se houver)”.

Traduzido e adaptado por equipe Folha BR
Fonte: New York Post

ANÚNCIO