Putin diz que a Rússia tem armas que os Estados Unidos não tem

ANÚNCIO

Opresidente russo, Vladimir Putin, pediu uma renovação imediata e incondicional do último tratado de armas nucleares entre Moscou e Washington, destacando que seu próprio país desenvolveu novas armas estratégicas que os Estados Unidos não possuem.

Putin
Foto: (reprodução/internet)

Em meio a um aumento sem precedentes nos casos COVID-19, o líder russo se reuniu virtualmente na sexta-feira com membros de seu conselho de segurança e colocou o controle de armas no topo de sua agenda. 

ANÚNCIO

Veja também: O Irã diz que está pronto para começar a comprar e vender armas com ‘muitos amigos’

Depois de pedir ao ministro das Relações Exteriores, Sergey Lavrov, um relatório sobre o andamento das negociações para estender o Novo Tratado de Redução de Armas Estratégicas (New START) antes que expire em 4 de fevereiro, Putin opinou sobre o fracasso do pacto de não proliferação.

Seria extremamente triste se o tratado deixasse de existir e não fosse substituído por outro documento fundamental desse tipo“, disse ele.

Ele elogiou o sucesso do tratado e de seus predecessores de 2010 e 1991 na prevenção de uma corrida armamentista total entre as duas principais potências nucleares, mas também aproveitou a oportunidade para afirmar que o arsenal russo superou em alguns aspectos o dos EUA – algo ele estava disposto a abordar em um novo acordo.

ANÚNCIO

Está claro que temos novos sistemas de armas que o lado americano não tem, pelo menos ainda não“, disse Putin, “mas não nos recusamos a discutir este lado da questão.

Putin, que desde o ano passado propôs uma extensão sem condições do Novo START, ofereceu um caminho novo e mais específico para impulsionar as negociações com o governo Trump.

Tenho uma proposta, a saber: estender o tratado existente sem quaisquer condições por pelo menos um ano, a fim de poder conduzir negociações significativas sobre todos os parâmetros dos problemas que são regidos por acordos desse tipo“, disse ele, “para não deixar nossos países e todos os estados do mundo interessados ​​em manter a estabilidade estratégica, sem um documento tão fundamental como o New START”.

Pouco depois, o próprio conselho de segurança nacional de Trump divulgou um comunicado chamando a proposta de Putin de “não-inicial” porque não incluía “congelamento de ogivas nucleares“.

Os Estados Unidos levam a sério o controle de armas que manterá o mundo inteiro seguro”, disse o conselheiro de segurança nacional Robert O’Brien. “Esperamos que a Rússia reavalie sua posição antes que ocorra uma custosa corrida armamentista.

O estado das consultas do Novo START permanece em evolução apenas semanas antes da eleição dos EUA, levantando preocupações do lado russo.

A confusão explodiu na terça-feira depois que o enviado presidencial especial dos EUA para o controle de armas, Marshall Billingslea, disse acreditar que os dois lados haviam chegado a “um acordo de princípio nos níveis mais altos de nossos dois governos” sobre a extensão do Novo START “por algum tempo“.

Mais tarde, um funcionário do Departamento de Estado confirmou.

O vice-ministro das Relações Exteriores da Rússia, Sergei Ryabkov, rapidamente descartou esse comentário, dizendo que a proposta dos Estados Unidos de um “congelamento” nuclear era “inaceitável”.

Ele afirmou que os comentários eram parte de um esforço da administração Trump para marcar pontos políticos antes da eleição. Ele acrescentou que não é provável que haja um acordo antes das eleições, caso o atual impasse se mantenha.

Na quinta-feira, parecia não haver progresso nas negociações.

Ele observou que este era o último tratado bilateral remanescente sobre os enormes estoques nucleares dos dois países, que foram sujeitos a redução, limitações e medidas de inspeção graças ao Novo START.

Tudo o mais já foi destruído ou está sendo proposto pelos americanos para extinção“, disse Lavrov.

Isso inclui o Tratado de Mísseis Antibalísticos (ABM) de 1972, abandonado pelos Estados Unidos em 2002 e o Tratado de Forças Nucleares de Alcance Intermediário (INF) cancelado no ano passado pela administração Trump, que alegou que Moscou o violou com um novo sistema de mísseis de cruzeiro.

A Rússia, por sua vez, acusou os Estados Unidos de buscar um escudo antimísseis global por meio da instalação na Europa Oriental de defesas antimísseis usando tecnologia semelhante aos lançadores de mísseis de médio alcance há muito proibidos pelo INF.

Putin citou essa quebra nos acordos de controle de armas como sua motivação para prosseguir com o desenvolvimento de armas nucleares de última geração, como o míssil balístico intercontinental Sarmat RS-28, o veículo hipersônico de planagem impulsionado Avangard Míssil de cruzeiro lançado do ar Kinzal, o veículo subaquático não tripulado de propulsão nuclear Poseidon e o míssil de cruzeiro de propulsão nuclear Burevestnik.

As preocupações de que os Estados Unidos estavam tentando minar a Rússia também foram expressas anteriormente pelo embaixador de Moscou em Washington, Anatoly Antonov, em comentários enviados à Newsweek, nos quais ele alertava “sobre uma profunda crise de confiança nas relações entre as duas principais potências nucleares“.

Precisamos lembrar que as questões estratégicas sempre foram a pedra angular de nossas relações em qualquer circunstância“, disse Antonov. “Esperamos que os Estados Unidos sigam uma política que não busque vantagem militar sobre a Rússia.”

Ele enfatizou a preocupação da Rússia de que os Estados Unidos buscam vantagens injustas por meio dessas negociações.

Para atender aos interesses dos EUA e da Federação Russa“, disse Antonov, “não deve haver lugar para qualquer tentativa de obter vantagens unilaterais significativas na esfera política militar.

Embora as autoridades americanas concordem com a importância de estabelecer medidas abrangentes de não proliferação, elas insistiram em um acordo mais amplo envolvendo novos sistemas de armas e outros países, como a China.

Em meio ao mal-entendido entre os lados dos EUA e da Rússia sobre o andamento das negociações, o secretário de Estado Mike Pompeo elogiou o árduo trabalho que foi levado às negociações e tentou trazer a China para a discussão.

Ele disse esperar “que o Partido Comunista Chinês também veja que esse tipo de trabalho, esse tipo de trabalho diligente, para diminuir o risco, para tirar a instabilidade do mundo inteiro a partir dessas armas muito perigosas, essas armas nucleares que podem proliferar tão facilmente.

Pequim rejeitou repetidamente essas propostas, argumentando que seu arsenal muito menor não deveria estar sujeito ao tipo de medidas bilaterais que governam os estoques dos EUA e da Rússia.

Veja também: Remdesivir tem pouco efeito na cura de COVID-19, diz a OMS

Nas chamadas negociações trilaterais propostas pelos EUA, a China reiterou em várias ocasiões sua posição, isto é, dada a enorme disparidade entre o arsenal nuclear chinês e o dos EUA e da Federação Russa”, disse Fu.

O general do Departamento de Controle de Armas do Ministério das Relações Exteriores da China disse ao jornal russo Kommersant em uma entrevista na quinta-feira: “Simplesmente não acreditamos que haja qualquer base justa e equitativa para a China se juntar aos EUA e à Federação Russa em uma negociação de controle de armas nucleares“.

Ele, no entanto, propôs um caminho potencial para a inclusão chinesa.

Claro, se os EUA se comprometerem a reduzir seu arsenal nuclear a um nível comparável ao arsenal nuclear chinês, ficaremos felizes em aderir“, disse Fu.

Mas, falando francamente, isso é algo que não prevemos que aconteça no futuro próximo, talvez não durante a minha vida.

Traduzido e adaptado por equipe Folha BR
Fonte: Newsweek

ANÚNCIO