Papa Francisco nomeia primeiro cardeal afro-americano

ANÚNCIO

O Papa Francisco nomeou no domingo 13 novos cardeais, incluindo o arcebispo de Washington DC Wilton Gregory, que se tornaria o primeiro prelado negro dos Estados Unidos a ganhar o cobiçado chapéu vermelho.

papa francisco vaticano
Foto: (reprodução/internet)

Francisco disse que os clérigos seriam elevados ao posto de cardeal em uma cerimônia em 28 de novembro.

Veja também: Papa Francisco pede leis de união civil para casais do mesmo sexo

Outros novos cardeais incluem um italiano que é o pregador papal de longa data no Vaticano, o Rev. Raniero Cantalamessa, um frade franciscano; o Kigali, em Ruanda, o Arcebispo Antoine Kambanda; o Capiz, das Filipinas, o Arcebispo Jose Feurte Advincula, e o Santiago, Chile, o Arcebispo Celestino Aos Braco.

ANÚNCIO

Outro franciscano que foi aproveitado é Frei Mauro Gambetti, encarregado do Sagrado Convento de Assis. O papa, quando assumiu seu cargo em 2013, escolheu São Francisco de Assis como seu santo homônimo.

No começo deste mês, o pontífice viajou para aquela cidade montanhosa na Umbria para assinar uma encíclica, ou importante documento de ensino da Igreja, sobre a fraternidade.

Em uma reflexão sobre a ênfase do papa em ajudar os necessitados, Francisco também nomeou o ex-diretor da instituição de caridade católica de Roma, a Caritas, o reverendo Enrico Feroci, como cardeal.

ANÚNCIO

Wilton, 73, foi escolhido por Francisco para liderar a prestigiosa diocese da capital dos Estados Unidos no ano passado.

O prelado tem suas mãos nas facções da Igreja Católica dos Estados Unidos, que tem fortes veias conservadoras e liberais desde que serviu três vezes como chefe da Conferência dos Bispos dos Estados Unidos.

Wilton Gregory nomeado arcebispo pelo papa francisco vaticano
Foto: (reprodução/internet)

Nove dos novos cardeais têm menos de 80 anos e, portanto, são elegíveis para eleger o próximo pontífice em um conclave secreto.

Alguns cardeais chefiam escritórios poderosos do Vaticano, e os pontífices freqüentemente se voltam para os cardeais em busca de conselhos.

Nenhum detalhe foi dado imediatamente pelo Vaticano sobre o consistório, como é conhecida a cerimônia formal para tornar os clérigos cardeais, especialmente em vista das restrições de viagem envolvendo muitos países durante a pandemia COVID-19.

Fique por dentro: EUA bate recorde com mais de 77.000 casos COVID em um dia

Como fez em outros grupos de cardeais que convocou em seu papado, Francisco nessa seleção refletiu a natureza global da Igreja Católica e seu rebanho de 1,2 bilhão de católicos.

Outros que receberam a homenagem incluem um prelado maltês, Monsenhor Mario Grech; Monsenhor Marcello Semeraro, um italiano que serve como prefeito do escritório do Vaticano que dirige o processo de fabricação de santos; Bispo Cornelius Sim, um nativo de Brunei que serve como vigário apostólico de Brunei; o arcebispo italiano de Siena e cidades próximas na Toscana, Augusto Lojudice; o bispo aposentado de San Cristobal de las Casas, México, dom Felipe Arizmendi Esquivel; e um ex diplomata italiano do Vaticano, o arcebispo Silvano Tomasi.

Clérigos com mais de 80 anos nomeados cardeais são escolhidos para honrar sua vida de serviço à igreja. Os que estão neste lote são velhos demais para votar em um conclave: Cantalamessa, Tomasi, Feroci e Arizmendi Esquivel.

Traduzido e adaptado por equipe Folha BR
Fonte: New York Post

ANÚNCIO