O’Brien exorta Taiwan a formar forças armadas para uma possível invasão chinesa

ANÚNCIO

O conselheiro de Segurança Nacional dos Estados Unidos, Robert O’Brien, disse na sexta-feira que Taiwan deve reforçar suas defesas em antecipação a uma eventual invasão pela China.

O'Brien
Foto: (reprodução/internet)

O governo comunista da China considera que Taiwan faz parte do território da China. Taiwan, que tem seu próprio governo independente, é um aliado dos EUA. 

ANÚNCIO

Leia também: Tóquio planeja despejar resíduos nucleares de Fukushima no oceano

Em outubro, jatos militares chineses foram avistados violando o espaço aéreo taiwanês, fazendo com que Taiwan embaralhasse seus jatos para afastar os chineses. 

O’Brien disse ao Fórum de Segurança de Aspen que a China poderia ter capacidade militar para lançar uma incursão anfíbia em Taiwan nos próximos 15 anos.

O’Brien disse ao Fórum que “quer haja um pouso anfíbio, um ataque de míssil, uma operação do tipo zona cinza, eles realmente precisam se fortalecer.

ANÚNCIO

Taiwan precisa começar a olhar para algumas estratégias de negação de áreas assimétricas e anti-acesso“, disse O’Brien, “e realmente se fortalecer de uma maneira que impeça os chineses de qualquer tipo de invasão anfíbia ou mesmo uma operação de zona cinzenta contra eles.

O’Brien disse que a China provavelmente consideraria um ataque com mísseis contra Taiwan contraproducente.

“Não sei o que eles ganhariam com isso”, disse O’Brien.

No sábado, o presidente taiwanês Tsai Ing-wen expressou esperança durante um discurso de que China e Taiwan possam resolver suas diferenças diplomaticamente, apesar das incursões da China no Estreito de Taiwan, um pequeno corpo de água que separa Taiwan da China.

Enquanto as autoridades de Pequim estiverem dispostas a resolver antagonismos e melhorar as relações através do Estreito enquanto a paridade e a dignidade são mantidas.“, disse Tsai, “estamos dispostos a trabalhar juntos para facilitar um diálogo significativo.

Apesar de seu apelo à diplomacia, Tsai também disse que Taiwan aumentaria sua capacidade de defesa. 

A preparação adequada e a confiança na determinação e força de sólidas capacidades de defesa nacional são a única maneira de garantir a segurança de Taiwan e manter a paz regional“, disse Tsai.

No domingo, o jornal estatal chinês Global Times disse que o pedido de Tsai para negociações entre Taiwan e a China estava “tentando enganar a comunidade internacional por simpatia“.

De acordo com o Global Times , a China “está fazendo todos os preparativos em nível de combate para um possível conflito militar para atacar as forças separatistas de Taiwan. Não é apenas um blefe“.

Taiwan é uma parte inalienável do território da China e a questão de Taiwan é puramente um assunto interno da China, que não permite interferência estrangeira“, disse um porta-voz da Embaixada da República Popular da China nos Estados Unidos da América em comunicado na sexta. 

Qualquer tentativa de conter a China com a questão de Taiwan ou solicitar apoio estrangeiro não levará a lugar nenhum.

A China tem vontade firme, total confiança e capacidade suficiente para impedir qualquer interferência de forças externas e os atos separatistas das forças de ‘independência de Taiwan’ e salvaguardar resolutamente a soberania nacional e integridade territorial“, continuou o comunicado.

Veja também: Legisladora da Rússia diz que ‘não tem motivo’ para pensar que Biden ou Trump melhorariam os laços com a Rússia

Em 2019, Taiwan obteve do governo dos EUA, 66 caças F-16 e 108 tanques Abrams. As forças dos Estados Unidos também tornaram sua presença conhecida no Estreito de Taiwan, para grande desgosto da China. 

Na quarta-feira, o contratorpedeiro da Marinha USS Barry navegou pelo estreito no que a Frota do Pacífico dos Estados Unidos chamou de uma demonstração de “compromisso dos Estados Unidos com um Indo-Pacífico livre e aberto“.

A China viu o trânsito do destróier pelo estreito de forma negativa

Alertamos os EUA para que parem com suas palavras e atos que provocam problemas”, disse o porta-voz do Eastern Theatre Command, coronel Zhang Chunhui, em um comunicado na quinta-feira.

Atualizado às 23:18 EST 16/10/2020 : Esta história foi atualizada com uma declaração da Embaixada da República Popular da China nos Estados Unidos da América.

Traduzido e adaptado por equipe Folha BR
Fonte: News Week

ANÚNCIO