O principal bispo francês afirma que medidas anti-COVID violam a liberdade religiosa

ANÚNCIO
O principal bispo francês afirma que medidas anti-COVID violam a liberdade religiosa
Foto: (reprodução/internet)

O Presidente da Conferência Episcopal Francesa disse esta semana que suspender a celebração pública dos sacramentos “mina a liberdade religiosa”, uma das liberdades fundamentais no país

Depois de consultar todos os bispos da França, o arcebispo de Reims Éric de Moulins-Beaufort interpôs recurso junto ao Conselho de Estado, solicitando que as medidas anticoronavírus “desproporcionais” impostas no âmbito do estado de emergência fossem suspensas.

Veja também: Policial preso por espancar tanto um homem negro que perdeu o olho

ANÚNCIO

O Arcebispo de Moulins-Beaufort disse que estas celebrações são “vitais” para a vida espiritual dos fiéis, porque são um encontro com o Senhor e com os seus irmãos e irmãs.

O arcebispo também insistiu que  a Igreja Católica cumpriu integralmente outras medidas destinadas a conter a propagação do vírus desde o início da pandemia.

Um decreto governamental de 29 de outubro prescrevendo novas medidas para lidar com a epidemia de coronavírus, incluindo a suspensão de todos os atos públicos de adoração.

ANÚNCIO

Fique por dentro: O que acontece se um presidente não for eleito até o dia da posse?

Junto com o Arcebispo de Moulins-Beaufort, cinco outros bispos também entraram com recursos no mesmo Conselho de Estado, deplorando que os católicos foram proibidos de ir à missa, “embora escolas, supermercados e transportes públicos continuem abertos”.

Em uma coluna publicada pelo jornal Le Figaro , Dominique Rey, bispo de Fréjus-Toulon, Marc Aillet, bispo de Bayonne, Jean-Pierre Cattenoz, bispo de Avignon, David Macaire, bispo de Fort-de-France e Bernard Ginoux, bispo de Montauban disse lamentar a opinião considerada do governo de que a liberdade fundamental de culto não é uma “atividade essencial”.

“Muitos católicos se recusam a abandonar suas igrejas, onde os fiéis vêm para encontrar consolo e esperança, nestes tempos que são muito difíceis de passar sozinhos”, escreveram. “A celebração da Missa não é para eles uma formalidade do exercício da sua fé, mas constitui a sua fonte e o seu ápice”.

Leia também: Joe Biden dobra a liderança no estado decisivo de Nevada à medida que a contagem de votos continua

As ações judiciais dos bispos somam-se a uma série de recursos interpostos por cidadãos comuns e associações leigas, bem como uma petição online, que coletou mais de 60.000 assinaturas desde o seu lançamento em 30 de outubro, pedindo a manutenção das celebrações religiosas, em estrito cumprimento as regras de distanciamento e saneamento já promulgadas.

Traduzido e adaptado por equipe Folha BR
Fonte: Breitbart

ANÚNCIO