Poloneses manifestantes ficam nus enquanto a luta pelo aborto toma uma nova forma

ANÚNCIO

Dois manifestantes ficaram nus em frente ao Palácio Presidencial da Polônia na terça-feira, cobrindo seus corpos com palavrões como manifestações que abalaram a Polônia desde que uma decisão judicial que proíbe a maioria dos abortos teve uma nova abordagem de choque.

Poloneses manifestantes ficam nus enquanto a luta pelo aborto toma uma nova forma
Foto: (reprodução/internet)

O Tribunal Constitucional proibiu no mês passado o aborto devido a defeitos fetais, encerrando uma das poucas bases legais restantes para o aborto. Desde então, milhares foram às ruas quase todos os dias.

ANÚNCIO

Apesar de exigirem principalmente o direito ao aborto, os protestos expressaram raiva profunda contra os governantes nacionalistas da Polônia, revelando as divisões entre liberais e religiosos conservadores no país fortemente católico.

Fique por dentro: Eleição 2020: campanha de Trump abre processo para interromper a contagem de votos em Michigan

“[O protesto nu] está diretamente relacionado à luta pelos direitos das mulheres, pelos direitos humanos, para que as pessoas sejam tratadas de forma digna”, disse Jadwiga, uma ativista presente no local.

ANÚNCIO

Os dois manifestantes, Ania Bielawska e Lukasz Stanek, cobriram seus corpos nus com palavrões antes de caminharem pela área em frente ao palácio cercados por uma multidão de fotógrafos.

Ampliar ImagemA artista Ania Bielawska é levada por policiais durante uma performance artística “Spacer” (‘Walk ”) contra a decisão do Tribunal Constitucional da Polônia que impõe a proibição quase total do aborto, em Varsóvia, Polônia.

“Eles foram impedidos de andar muito, mas foi simbólico”, disse Jadwiga. 

Leia também: Twitter censura os tweets de Trump sobre o ‘desaparecimento’ das cédulas

Sua nudez, que é supostamente ofensiva em público, pretendia protestar contra a forma ofensiva como algumas pessoas são tratadas na sociedade polonesa.

“Muitas vezes ouvimos no espaço público insultos, vulgarismos e abusos da sexualidade humana visando outras pessoas”, disse Jadwiga.

Traduzido e adaptado por equipe Folha BR
Fonte: New York Post

ANÚNCIO