Maduro, presidente da Venezuela, pede impressão de notas de 100.000 bolívares

ANÚNCIO

 

maduro 100 mil bolívares
Foto: Reprodução/internet

Enquanto seu povo sofre com a pobreza opressora, o ditador socialista da Venezuela, Nicolás Maduro, está gastando grandes somas na impressão de enormes pilhas de papel-moeda que se deprecia rapidamente.

ANÚNCIO

Depois de imprimir mais de 70 toneladas de papel-moeda este ano, o Banco da Venezuela está se preparando para reemitir sua nota de denominação mais alta de todos os tempos, a nota de 100.000 bolívar – uma nota que vale apenas cerca R$ 1,23 convertida para moeda brasileira.

Leia também: Turquia preparada para testar mísseis russos S-400 que causaram polêmica nos Estados Unidos

bolívar – tecnicamente o Bolívar Soberano, ou “Bolívar Soberano”, a última iteração de uma moeda usada na Venezuela desde alguns anos após a morte de seu homônimo, o padrinho da nação, Simón Bolívar, em 1783 – era uma moeda bastante estável até os anos 1980, apoiado pelos imensos recursos petrolíferos da Venezuela.

Sob Maduro e seu mentor Hugo Chávez, a riqueza do petróleo da Venezuela desapareceu tão rapidamente, e sua moeda se desvalorizou tão rapidamente, que várias novas versões do bolívar foram introduzidas, cada uma valendo uma pequena fração da moeda que substituiu. 

ANÚNCIO

Houve uma época em que o valor de um bolívar não ficava muito longe do valor de um dólar americano, mas hoje um dólar vale centenas de milhares de bolívares.

A hiperinflação significa que Maduro deve continuar imprimindo enormes pilhas de papel-moeda, com denominações cada vez mais absurdas, para ter uma moeda significativa para os venezuelanos gastarem. 

A Venezuela importa toneladas de papel para suas impressoras – 71 toneladas da Itália mais 300 milhões de notas da Rússia somente em 2020.

Ironicamente, a empresa de papel italiana é propriedade da Bain Capital, a empresa de investimento que foi demonizada pelos socialistas americanos durante as eleições presidenciais de 2012 como o lócus do mal capitalista no mundo.

O fornecedor russo foi contratado depois que a Venezuela parou de pagar suas contas ao importante fornecedor de papel De La Rue.

A primeira tentativa de Maduro com uma nota de 100.000 bolívar ocorreu em 2017, numa época em que 100.000 bolívares valiam cerca de US $ 2,50 no mercado negro venezuelano. 

Maduro afirmou que em breve acabaria totalmente com o papel-moeda e também anunciou um aumento de 30% no salário mínimo para que as pessoas tivessem mais notas de 100.000 bolívar para gastar.

Com a inflação mais alta do planeta, o anúncio oficial do salário é uma paródia dos trabalhadores venezuelanos!” a oposição venezuelana respondeu. 

A Business Insider preocupou-se em novembro de 2017 que, se as notas com denominações menores fossem eliminadas, os venezuelanos poderiam não conseguir fazer saques em dinheiro pequenos o suficiente para caber nos limites impostos pelo governo sobre as transações bancárias. 

Mesmo com o alardeado aumento de 30% do salário mínimo de Maduro, o salário mínimo mensal era de apenas 177.507 bolívares – valendo cerca de R$ 24,13 – então os venezuelanos de baixa renda nunca seriam capazes de sacar uma nota de 100.000 bolívar do banco.

O bolívar foi reiniciado no verão de 2018, e o banco central da Venezuela está considerando o retorno da nota de 100.000 bolívar, exceto que agora valeria cerca de apenas R$ 1,23, então denominações ainda maiores poderiam estar em andamento. 

A Venezuela atualmente desfruta de uma inflação anual de cerca de 2.400% ao ano, de modo que notas de denominações menores já valem menos do que o papel em que são impressas.

A Bloomberg News observou na segunda-feira que a Venezuela está vivendo de acordo com a velha piada sobre governos hiperinflacionários ficando sem tinta para imprimir seu dinheiro, junto com a falta de energia, desligando as impressoras, a manutenção das impressoras dificultada pela falta de peças e relacionados ao coronavírus falta de pessoal. 

À medida que os bolívares se tornam difíceis de obter e cada vez mais inúteis para aqueles que os possuem, os venezuelanos estão agora realizando cerca de 60% de todas as transações com dólares americanos.

Fique por dentro: Rússia atingida pela segunda onda de Covid com recorde de infecções e aumento de mortes

Maduro venceu na segunda-feira em uma batalha judicial desesperada pelo controle do ouro venezuelano armazenado no Banco da Inglaterra. 

Um tribunal de apelações britânico anulou uma decisão da Suprema Corte que “reconheceu inequivocamente o líder da oposição Juan Guaido como presidente”. 

Maduro está processando o Banco da Inglaterra para liberar barras de ouro venezuelano no valor de um bilhão de dólares, aparentemente para pagar despesas governamentais relacionadas ao coronavírus. 

Guaido alertou o Banco da Inglaterra que Maduro e seus comparsas roubariam o ouro se tivessem acesso a ele. 

O destino do ouro permanece em dúvida, já que agora se espera que a Suprema Corte britânica se pronuncie sobre quais poderes de escritório Maduro pode exercer legalmente.

Traduzido e adaptado por equipe Folha BR
Fonte: Breitbart

ANÚNCIO