Forças chinesas ‘em alerta’ após o navio de guerra dos EUA partir perto de Taiwan

ANÚNCIO

A marinha chinesa condenou um navio de guerra dos EUA por navegar pelo Estreito de Taiwan, acusando Washington, DC de “criar problemas” em meio às tensões em curso sobre a independência da ilha de Pequim.

navio eua
Foto: Reprodução/internet

O navio contratorpedeiro de mísseis guiados classe Arleigh-Burke USS Barry passou pelo estreito de Taiwan na quarta-feira, no que a Frota do Pacífico dos EUA disse ser um “trânsito” de rotina de acordo com a lei internacional.

ANÚNCIO

Veja também: EUA promovem acordos de três armas com Taiwan para conter ameaça de invasão chinesa

Mas o Comando do Teatro Oriental do Exército de Libertação do Povo Chinês, responsável pela costa leste do país e pelo Estreito de Taiwan, considerou o trânsito americano uma provocação.

O jornal estatal Global Times – frequentemente usado para expressar sentimentos mais beligerantes de dentro do país – disse que o Eastern Theatre Commandorganizou forças navais e aéreas e rastreou e monitorou o navio contratorpedeiro USS Barry durante todo o curso quando o navio de guerra dos EUA navegou por Taiwan Estreito na quarta-feira.

O coronel Zhang Chunhui, porta-voz do comando, disse: “Exortamos veementemente os EUA a pararem de fazer declarações e movimentos que causem problemas. As forças de comando estão sempre em alerta máximo para salvaguardar resolutamente a soberania nacional e a integridade territorial, bem como a paz e estabilidade no Estreito de Taiwan.

ANÚNCIO

A Frota dos EUA no Pacífico disse: “O trânsito do navio pelo Estreito de Taiwan demonstra o compromisso dos EUA com um Indo-Pacífico livre e aberto. A Marinha dos EUA continuará a voar, navegar e operar em qualquer lugar que a lei internacional permitir.

Navios de guerra e aeronaves dos EUA transitam regularmente perto de Taiwan, que Pequim reivindica como seu próprio território. A ilha é independente desde o fim da guerra civil chinesa, como o último reduto das forças nacionalistas derrotadas.

Mas o Partido Comunista Chinês (PCC) prometeu assumir o controle da nação pela força se necessário, como parte de sua política de “Uma China”.

Os EUA há muito apoiam a independência de Taiwan, embora não reconheçam oficialmente o país. Junto com seus desdobramentos militares regionais, os EUA fornecem armas a Taiwan para ajudar na proteção contra uma possível invasão futura.

A Lei de Relações com Taiwan de 1979 também inclui um compromisso implícito dos EUA de defender a ilha contra o ataque chinês.

O assessor de Segurança Nacional, Robert O’Brien, disse na semana passada que Taiwan deveria adotar uma estratégia “porco-espinho” para deter a agressão chinesa.

Os leões geralmente não gostam de comer porco-espinhos“, disse ele.

Leia também: ‘Prepare-se para a guerra’, Xi Jinping diz às tropas chinesas de elite

Pequim criticou recentemente os Estados Unidos e Taiwan por uma série de vendas planejadas de armas, que Washington diz ter como objetivo fortalecer a defesa da ilha.

O PCCh acusou repetidamente a presidente taiwanês pró-independência Tsai Ing-wen – reeleito para um segundo mandato em janeiro – de arriscar a paz na região ao alinhar a ilha com os EUA.

Traduzido e adaptado por equipe Folha BR
Fonte: Newsweek

ANÚNCIO