Ex-general diz que os soldados de Taiwan não têm armas: ‘Luta com vassouras?’

ANÚNCIO

Um general reformado do exército taiwanês afirma que as forças armadas do país estariam mal tripuladas e mal equipadas para uma guerra com a China, questionando em uma entrevista recente: “Eles deveriam lutar com vassouras?”

Ex-general diz que os soldados de Taiwan não têm armas: 'Luta com vassouras?'
Foto: (reprodução/internet)

O ex -general do Exército da República da China, Hsiao Tien-liu, lançou dúvidas sobre a prontidão de combate de Taiwan apenas uma semana depois que o ministro da Defesa Nacional, Yen De-fa, disse que a ilha poderia mobilizar cerca de 450 mil soldados no caso de uma invasão militar.

ANÚNCIO

Em uma reunião do comitê em 22 de outubro, Yen disse que o presidente Tsai Ing-wen poderia enviar 185.000 militares ativos e convocar cerca de 260.000 reservas se as forças do Exército de Libertação do Povo cruzassem o estreito de Taiwan.

Leia também: FBI investigando Hunter Biden sobre alegações de lavagem de dinheiro

No entanto, Hsiao, que era chefe de compras do Escritório de Armamentos do Ministério da Defesa, disse que seria uma tarefa “muito difícil”.

ANÚNCIO

Na entrevista publicada hoje pelo site multinacional chinês China Review News Agency, o ex-militar disse que a experiência anterior mostrou que apenas cerca de 70% das forças de reserva compareceram quando convocadas para educação e treinamento.

“Eles deveriam lutar com vassouras?”, disse Hsiao Tien-liu.

“Embora uma ordem de mobilização de guerra seja cumprida, os militares carecem de medidas abrangentes para mobilizar em uma emergência”, disse Hsiao, de acordo com uma tradução do relatório do CRNA da Newsweek . “Montar com sucesso 450.000 soldados seria muito difícil.”

Outro obstáculo seria a histórica falta de atenção dos militares à consolidação de armas e equipamentos em seus depósitos, argumentou. 

Fique por dentro: O primeiro voluntário de vacina contra o coronavírus de Israel deixa o hospital em alto astral

Isso pode levar à incapacidade de fornecer armas suficientes aos soldados, mesmo que as forças armadas possam reunir as tropas de que precisam.

“Como os soldados vão para a guerra sem equipamento adequado? Eles deveriam lutar com vassouras?” CRNA relatou que Hsiao disse.

O general reformado exortou os militares de Taiwan a “estarem mais conscientes da crise” e a fazerem os “preparativos básicos” necessários para responder a uma futura situação de emergência.

Corrida armamentista ‘inútil’

Em outra entrevista publicada pelo CRNA hoje, Hsiao, que estava envolvido com a divisão de aquisição de armas dos EUA, agora reorganizada, do Ministério da Defesa, chamou as compras recentes de armas da América como um “poço de dinheiro sem fim”.

Veja também: Homem é preso por jogar dinheiro da janela, estava chapado de metanfetamina

O governo de Tsai fechou nove acordos de armas com a administração Trump desde que ela foi eleita para o cargo em 2016, gastando quantias recordes do orçamento militar de Taiwan em armamentos defensivos.

Hsiao chamou uma corrida armamentista com Pequim de “inútil” por causa dos enormes gastos militares do PLA. “Taiwan nunca fechará essa lacuna militar, não importa quanto dinheiro gaste”, disse ele ao site de notícias.

Sinais de guerra

Ajudados pelo sentimento anti-China nos Estados Unidos e pelo apoio do principal diplomata do presidente Trump, Mike Pompeo , Tsai e seu Partido Democrático Progressivo buscaram fortalecer os laços com aliados como os EUA e, mais recentemente, a Índia.

Leia também: China adverte EUA sobre a segunda venda de armas para Taiwan

As contínuas vendas de armas dos EUA para Taipei irritaram a liderança chinesa, que expressou ameaças por meio de canais oficiais e não oficiais. Isso levou as tensões militares na região ao seu ponto mais alto desde a crise dos mísseis de Taiwan em meados da década de 1990.

Lee Tien-tuo, um coronel aposentado do exército e ex-oficial de inteligência do Escritório de Segurança Nacional de Taiwan, disse à Agência de Notícias China Review que uma invasão chinesa seria precedida por duas ações.

Pequim divulgaria primeiro uma lista de criminosos de guerra “separatistas de Taiwan” para isolar certos indivíduos, afirmou Lee. 

A China encerraria então o atual Acordo-Quadro de Cooperação Econômica, assinado em 2010, como forma de expressar um colapso total em sua relação com a ilha, que vê como uma província rebelde.

Traduzido e adaptado por equipe Folha BR
Fonte: Newsweek

ANÚNCIO