EUA promovem acordos de três armas com Taiwan para conter ameaça de invasão chinesa

ANÚNCIO

O governo do presidente Donald Trump está levando adiante uma série de vendas de armas para Taiwan, enquanto a ilha democrática enfrenta pressão crescente da China por sua independência contínua.

diplomacia EUA TAIWAN
Foto: Reprodução/internet

Vários relatórios na segunda-feira indicaram que a Casa Branca enviou notificações de três dos sete negócios planejados de armas de Taiwan ao Congresso para aprovação, em uma medida que destaca o apoio do governo a Taipé em face de um Partido Comunista Chinês cada vez mais assertivo.

ANÚNCIO

A Reuters foi a primeira a relatar notificação do Congresso para as três negociações. 

Leia também: Forças Armadas da China realizam exercícios de invasão de ilhas durante feriado de Taiwan

A agência disse que os negócios são para o High Mobility Artillery Rocket System (HIMARS) da Lockheed Martin, o Standoff Land Attack Missile-Expanded Response da Boeing e sensores externos para caças F-16.

Os outros negócios de armas ainda não enviados ao Congresso para aprovação incluem drones aéreos avançados, mísseis antinavio baseados em terra e minas subaquáticas. Tudo se destina a impedir um desembarque anfíbio chinês. 

ANÚNCIO

Fontes da Reuters disseram que notificações para as quatro negociações restantes serão enviadas aos legisladores em breve.

Os EUA há muito apoiam a independência de Taiwan com a venda de armas, apesar dos repetidos protestos de Pequim. 

O governo chinês advertiu repetidamente que as vendas de armas dos EUA para a ilha ameaçam a paz regional e colocam Taiwan em uma posição mais perigosa.

Embora Washington, DC não reconheça oficialmente Taiwan, tem um compromisso implícito de defender a ilha contra a invasão chinesa de acordo com a Lei de Relações com Taiwan de 1979.

Taiwan é independente desde o fim da Guerra Civil Chinesa, sendo o último bastião das forças nacionalistas derrotadas. 

O PCCh sempre prometeu colocar a ilha sob seu controle como parte de sua política de “Uma China”, seja por meios diplomáticos ou pela força das armas.

O conselheiro de segurança nacional Robert O’Brien disse na semana passada que Taiwan deveria adotar uma estratégia defensiva “porco-espinho“. “Os leões geralmente não gostam de comer porco-espinhos“, disse O’Brien, referindo-se à China.

O sistema HIMARS é um lançador de foguetes baseado em caminhão em serviço nos Estados Unidos desde o final dos anos 1990. 

Ele permite que os operadores visem rapidamente os inimigos e disparem uma saraivada de foguetes antes de se afastar, tornando difícil localizar a arma e retaliar.

Os mísseis guiados – que também foram testados com sucesso contra alvos navais – têm um alcance máximo de cerca de 190 milhas. As forças dos EUA usaram os HIMARS na guerra no Afeganistão, em apoio às tropas iraquianas que lutam contra militantes do Estado Islâmico no Iraque, e ao lado das tropas curdas que lutam contra o ISIS na Síria.

O SLAM-ER é um míssil guiado ar-solo de longo alcance capaz de atacar alvos terrestres e marítimos em um alcance de cerca de 170 milhas. Já está implantado com os militares dos EUA, Saudita, Emirados, turcos e sul-coreanos. 

Entre os aviões que podem lançar o SLAM-ER está o Lockheed P-3 Orion de vigilância marítima, que é operado por Taiwan.

Os sensores externos escolhidos para venda em Taiwan permitirão que os caças F-16 de Taipé, de fabricação americana, enviem imagens e dados em tempo real para estações de controle em solo, dando às forças taiwanesas uma imagem melhor de qualquer ação chinesa em andamento.

O governo Trump anunciou recentemente um acordo de US $ 8 bilhões para a venda de 66 novos caças F-16 para Taiwan. 

Veja também: Iminente lapso do embargo de armas ao Irã será o ‘dia da derrota dos EUA’

Eles se juntarão a cerca de 140 F-16 existentes no arsenal taiwanês. O jornal estatal chinês Global Times disse que o acordo foi “mais uma provocação dos EUA e um passo na linha vermelha da questão de Taiwan, o que traz mais riscos de confronto”.

A China regularmente acusa os EUA de se intrometer na política regional e arriscar uma guerra ao apoiar Taiwan. 

A guerra de palavras entre Washington, DC e Pequim tornou-se particularmente acirrada durante a pandemia do coronavírus, em meio a preocupações com os abusos dos direitos humanos internos do PCCh e devido a disputas territoriais com vizinhos.

Em um editorial publicado no domingo, o Global Times disse que Taiwan está agora “em plena coordenação com a nova política dos EUA de conter o continente chinês” e acusou o presidente Tsai Ing-wen de se tornar “completamente hostil ao continente chinês, e esta questão não pode não será resolvido por meio do diálogo. A força malévola pode ter que ser subjugada por meios militares.

Traduzido e adaptado por equipe Folha BR
Fonte: Breitbart

ANÚNCIO