Chineses provocam mísseis hipersônicos em meio a especulações de invasão

ANÚNCIO

s militares chineses provocaram ontem os mísseis hipersônicos mais avançados do país, mas em meio a especulações de que as armas foram reimplantadas para uma invasão iminente de Taiwan.

míssil hipersônico chinês
Foto: (reprodução/internet)

Em uma postagem de mídia social no aplicativo chinês WeChat, o relato oficial do exército compartilhou imagens dos mísseis hipersônicos Dongfeng-17 da China, que estreou no desfile militar de 1º de outubro do ano passado em Pequim.

ANÚNCIO

Leia também: Papa Francisco pede leis de união civil para casais do mesmo sexo

A postagem quase não acompanhava o texto, mas os meios de comunicação chineses disseram que os leitores “entenderam” a referência, que parecia sugerir a reportagem do South China Morning Post de domingo sobre as novas implantações de DF-17 no sudeste da China, perto de Taiwan.

O Exército havia atualizado suas bases de mísseis perto do Estreito de Taiwan com os mais recentes DF-17

Mísseis que teriam um alcance máximo de mais de 1.550 milhas, embora fossem mais difíceis para interceptar e ter mais precisão.

De acordo com o relatório, esta foi uma indicação de que a China está se preparando para uma invasão da ilha, que se afastou cada vez mais da ideologia de uma China de Pequim desde a eleição do presidente Tsai Ing-wen em 2016.

ANÚNCIO

O porta-voz do Partido Comunista Chinês, Global Timestentou minimizar o relatório chamando-o de “mera especulação”, enquanto no mesmo artigo alertando que a reunificação de Taiwan por meios militares era agora uma questão de “quando e como”.

O meio de comunicação estatal disse que usar os mísseis hipersônicos mais avançados do país na ilha a apenas 160 quilômetros de sua costa seria “um desperdício”.

A curta distância entre a ilha e o continente torna muito fácil a missão de bombardeio contra alvos militares de Taiwan“, disse o jornal.

Se implantados, [os mísseis] têm como objetivo atingir os inimigos mais poderosos que tentam intervir na questão de Taiwan durante a operação do ELP e outras ameaças que minam a soberania e integridade territorial da China.

Fique por dentro: A Marinha acabará equipando destroyers com mísseis hipersônicos

Ele citou um especialista militar não identificado como dizendo: “Os alvos militares em Taiwan estão totalmente ao alcance dos lançadores de foguetes e mísseis lançados pelo ar transportados por aeronaves militares, então usar mísseis avançados para atacar Taiwan seria um desperdício.”

Por sua vez, o governo autônomo de Taiwan continua a aumentar suas defesas existentes com mais armamentos fabricados nos Estados Unidos para deter um ataque chinês.

O porta-voz do Ministério das Relações Exteriores, Joanne Ou, recebeu hoje a notícia de que o Departamento de Estado dos EUA aprovou a última rodada de vendas de armas – supostamente no valor de mais de US $ 1,8 bilhão.

Traduzido e adaptado por equipe Folha BR
Fontes: NewsWeek

ANÚNCIO