China adverte EUA sobre a segunda venda de armas para Taiwan

ANÚNCIO

A China alertou os Estados Unidos sobre as “terríveis consequências” após mais uma venda multibilionária de armas para Taiwan – a segunda no espaço de uma semana.

Harpoon Coastal Defense Systems eua vende arma para taiwan
Foto: (reprodução/internet)

A última rodada de compras propostas de armas é estimada em US $ 2,37 bilhões, de acordo com a Agência de Cooperação para a Segurança da Defesa do DOD.

ANÚNCIO

Leia também: África do Sul pode ter alcançado imunidade de COVID-19, diz especialista

De acordo com as disposições da Lei de Relações com Taiwan, a ilha democrática autogerida deve receber 100 Harpoon Coastal Defense Systems e até 400 mísseis lançados de superfície, que são capazes de atingir o Estreito de Taiwan de 160 quilômetros de largura.

Este é o segundo negócio de armas com Taipei em uma semana, após o anúncio de vendas de mísseis SLAM-ER estimadas em mais de US $ 1 bilhão.

“‘Sem dúvidas’ China fortalece as Forças Armadas para atingir Taiwan”, diz o ministro

ANÚNCIO

Ren Guoqiang, porta-voz do Ministério da Defesa Nacional da China, disse em uma coletiva de imprensa na terça-feira que os EUA deveriam cessar as vendas de armas a Taiwan e que estavam arriscando a paz e a estabilidade no Estreito de Taiwan.

Fique por dentro: Profissional de saúde atirado de um trem após confrontar o grupo sem máscara

Em comentários quase idênticos, a declaração quase idêntica refletiu os comentários de um porta-voz do Ministério das Relações Exteriores na segunda-feira, quando a China anunciou sanções contra as empresas de defesa dos EUA, incluindo Lockheed Martin, Boeing Defense e Raytheon por sua participação nos negócios de armas.

Ren chamou as repetidas sanções do governo dos Estados Unidos às vendas de armas para Taiwan como uma “grave violação do princípio de Uma China e dos Três Comunicados China-EUA“, que constituem a base do entendimento de Washington e Pequim sobre o status político de Taiwan.

As vendas de armas dos EUA para Taiwan interferem seriamente nos assuntos internos da China e minam a soberania nacional e os interesses de segurança da China“, disse Ren.

Ele exortou os EUA a interromper as vendas de armas a Taiwan, acrescentando: “A China insta os EUA a lidar com as questões relacionadas a Taiwan com prudência, a fim de evitar consequências terríveis para as relações de estado para estado e militar para militar entre a China e os NOS”

O Exército de Libertação do Povo tem “determinação, confiança e habilidade” para derrotar a interferência estrangeira de qualquer tipo e qualquer tentativa de separatismo de “independência de Taiwan”, disse Ren.

As tensões no Estreito de Taiwan estão em seu ponto mais alto desde os anos 1990, com o presidente Tsai Ing-wen aparentemente contando com o governo Trump para conter novas agressões a Pequim.

Leia também: Quase todos em Taiwan querem paz, enquanto a China quer guerra

Em uma entrevista recente, o ministro das Relações Exteriores de Taiwan, Joseph Wu, disse que “não tinha dúvidas” que a China estava fortalecendo suas forças armadas para atacar Taiwan.

Taipei e Pequim realizaram seus próprios exercícios de fogo real dentro e ao redor do Estreito de Taiwan, e aviões de guerra chineses voaram para o espaço aéreo controlado por Taiwan em números recordes desde setembro.

Traduzido e adaptado por equipe Folha BR
Fonte: Newsweek

ANÚNCIO