Chefe de Hong Kong adverte Trump e Biden sobre interesses comerciais dos EUA após as eleições

ANÚNCIO

A presidente-executiva de Hong Kong, Carrie Lam, alertou os candidatos à presidência Donald Trump e Joe Biden para “avaliarem de forma abrangente” a relação do próximo governo dos Estados Unidos com o território chinês e não permitir que a “repressão política arbitrária” afete os interesses das empresas americanas.

Chefe de Hong Kong adverte Trump e Biden sobre interesses comerciais dos EUA após as eleições
Foto: (reprodução/internet)

Lam deve chegar a Pequim na tarde de terça-feira, enquanto busca ajuda do governo central para reavivar a economia estagnada de Hong Kong em meio à pandemia de COVID-19.

ANÚNCIO

Leia também: Israel inicia testes em humanos para a vacina COVID-19

Em sua coletiva de imprensa semanal na terça-feira, Lam foi questionada sobre as eleições nos Estados Unidos, que ela descreveu como “uma escolha a ser feita pelos eleitores americanos” e parte dos “assuntos internos americanos”.

“Caberia ao próximo presidente americano e sua equipe considerar como o governo verá as relações EUA-China e a importância de Hong Kong nesse relacionamento”, acrescentou ela.

ANÚNCIO

Mas a indicada por Pequim, de 63 anos, deixou claro que espera que o próximo presidente dos EUA avalie minuciosamente a posição de Hong Kong no esquema mais amplo de relações com a China.

Lam classificou o relacionamento da região administrativa especial com os EUA de “longo prazo e mutuamente benéfico” antes de citar o atual superávit comercial dos EUA com Hong Kong, bem como as instituições financeiras americanas que compartilham do sucesso da cidade.

Veja também: Casa Branca tentando ‘equipar’ o sistema com o plano de vacina COVID-19

“Espero que o próximo governo dos EUA avalie de forma abrangente sua relação com Hong Kong, incluindo os interesses das empresas americanas em Hong Kong e dos muitos trabalhadores que empregam, e não deixe que a repressão política arbitrária tenha um impacto irracional [em Hong Kong],” ela disse.

Lam também foi questionada sobre as recentes prisões no domingo e na segunda-feira de oito legisladores pró-democracia por uma briga na câmara em maio.

O secretário de Estado Mike Pompeo criticou o governo de Hong Kong em um tweet na segunda-feira, chamando-o de uma “tentativa de intimidar representantes pró-democracia”.

“Hong Kong tem muito orgulho de nosso estado de direito”, disse Lam em resposta. “Cada um de nós tem que respeitar o Estado de Direito e se abster de criticar os juízes, suas decisões, sem qualquer fundamento”.

Fique por dentro: Ex-general diz que os soldados de Taiwan não têm armas: ‘Luta com vassouras?’

“Todos são iguais perante a lei. Ninguém, incluindo o presidente-executivo, está acima da lei”, disse ela.

Lam disse que qualquer processo será feito pelo judiciário independente de Hong Kong se houver provas suficientes.

Integração do continente

O líder de Hong Kong deve se encontrar com autoridades chinesas de alto nível durante sua visita de três dias a Pequim, que irá centrar-se em propostas para mais apoio do governo central ao centro financeiro durante a pandemia.

As conversações incluirão também a futura integração económica de Hong Kong ao continente, bem como planos para a área da Grande Baía de Guangdong, Hong Kong e Macau.

Durante seu discurso de abertura para o início da Semana Legal de Hong Kong 2020 na segunda-feira, Lam elogiou especialmente a nova lei de segurança nacional aprovada por Pequim neste verão.

Veja também: Explosão do Porto de Beirute, no Líbano, dá origem a centenas de processos

Ela chamou a implementação da lei “oportuna e essencial”. A legislação torna os crimes de secessão, subversão, terrorismo e conluio com potências estrangeiras puníveis com pena máxima de prisão perpétua.

“Desde então, a lei [e a ordem] e a estabilidade na sociedade foram restauradas e agora temos um sistema aprimorado para Hong Kong para implementar de forma precisa e abrangente o princípio de ‘um país, dois sistemas'”, disse ela, de acordo com uma transcrição em o site de seu governo.

“Apesar dos ataques injustificados de alguns políticos e governos estrangeiros, eu e meu governo continuaremos a implementar firmemente a Lei de Segurança Nacional sem medo ou preocupação”, acrescentou Lam.

Traduzido e adaptado por equipe Folha BR
Fontes: Newsweek

ANÚNCIO