Cerca de 30.000 funcionários do NHS afastados do trabalho devido a COVID em toda a Inglaterra

ANÚNCIO

Cerca de 30.000 funcionários do National Health Service (NHS), incluindo muitos enfermeiros e médicos que trabalham no serviço de saúde da Inglaterra, estão atualmente afastados do trabalho devido ao COVID-19.

O presidente-executivo do NHS England, Sir Simon Stevens, disse em uma entrevista que a dispersão do vírus afeta os profissionais de saúde tanto quanto qualquer outra pessoa

Questionado sobre como ele iria garantir que o serviço de saúde fosse capaz de fornecer cuidados durante os meses de inverno, quando os hospitais estão historicamente sobrecarregados. 

ANÚNCIO

“Vamos garantir que teremos o máximo de enfermeiras capazes de trabalhar, onde as comunidades são afetadas pela disseminação do vírus, isso significa que a equipe é frequentemente afetada ou precisa se isolar,” respondeu ele.

“No momento, temos cerca de 30.000 funcionários do NHS que estão com coronavírus ou tendo que se isolar. Portanto, nosso sucesso no controle da transmissão comunitária de COVID também é um multiplicador de força para o que o NHS pode fornecer na forma de cuidados.”

Esse número é um aumento de 10.000 funcionários ausentes devido ao COVID no início de outubro, quando o NHS England disse que 20.000 estavam desempregados devido ao vírus ou por auto-isolamento, de acordo com um relatório do Independent.

ANÚNCIO

Os médicos e enfermeiras que trabalham nas unidades de terapia intensiva do NHS alertaram repetidamente sobre seus temores quanto à falta d pessoal nas enfermarias do COVID durante o período de maior movimento do serviço de saúde. 

Stevens estava dando uma atualização ao público ao lado do primeiro-ministro da Grã-Bretanha, Boris Johnson, que confirmou que mais 492 pessoas no Reino Unido morreram de COVID nas últimas 24 horas.

Cerca de 30.000 funcionários do NHS afastados do trabalho devido a COVID em toda a Inglaterra
Foto: (reprodução/internet)

Johnson insistiu que um mês de bloqueio em toda a Inglaterra – que entrou em vigor na quinta-feira – será longo o suficiente para causar um “impacto real” na disseminação do vírus. 

Os especialistas expressaram dúvidas de que quatro semanas de medidas com término previsto para 2 de dezembro sejam adequadas em meio a temores de que uma extensão ou terceiro bloqueio nacional possa ser necessário.

Johnson disse ao país: “Há luz no fim do túnel” e disse que as pessoas podem esperar um Natal tão normal quanto possível.

Stevens disse que existem atualmente 11.000 pacientes COVID em hospitais, em comparação com 3.000 pacientes que normalmente seriam hospitalizados em um dia durante uma temporada de gripe de inverno muito ruim e cerca de 7.000 pacientes que estariam internados em tratamento de câncer.

Traduzido e adaptado por equipe Folha BR
Fonte: News Week
 

ANÚNCIO