Aliados da América veem a China, como líder da economia mundial em meio à crise do coronavírus

ANÚNCIO

A opinião pública sobre a China no mundo ocidental desabou em meio à pandemia do coronavírus e ao crescente escrutínio dos abusos aos direitos humanos cometidos pelo Partido Comunista Chinês, de acordo com uma pesquisa do Pew Research Center publicada na terça-feira.

A pesquisa de 14 países revelou um aumento de opiniões negativas sobre Pequim na maioria dos países incluídos, além de um crescente ceticismo de que o presidente Xi Jinping fará a coisa certa no cenário mundial.

ANÚNCIO

A maioria também acredita que a China lidou mal com a pandemia COVID-19.

Leia também: Rússia atingida pela segunda onda de Covid com recorde de infecções e aumento de mortes

Mas a pesquisa – envolvendo grupos nacionalmente representativos de 14.276 adultos entre 10 de junho e 3 de agosto – também é péssima para os EUA.

China vs EUA
Foto: Reprodução/internet

A maioria dos entrevistados acredita que a China lidou com a pandemia do coronavírus melhor do que seus adversários americanos e agora vê a China como a maior economia do mundo – mesmo em países que permanecem aliados firmes dos EUA.

ANÚNCIO

No geral, os entrevistados ocidentais estão muito mais céticos em relação a Pequim do que há alguns anos. 

A maioria dos entrevistados por telefone em todos os 14 países – EUA, Canadá, Bélgica, Dinamarca, França, Alemanha, Itália, Holanda, Espanha, Suécia, Reino Unido, Austrália, Japão e Coreia do Sul – todos tiveram uma opinião desfavorável sobre China.

Na Austrália, Reino Unido, Alemanha, Holanda, Suécia, Estados Unidos, Coréia do Sul, Espanha e Canadá, o número de pessoas com uma visão negativa atingiu o seu maior desde que o Pew Research Centre começou a fazer pesquisas sobre o assunto, há mais de 10 anos.

Nos Estados Unidos, por exemplo, 73% dos entrevistados têm uma visão negativa da China. Isso aumentou quase 20 pontos desde que o presidente Donald Trump assumiu o cargo em 2017.

Isso aumentou 13% no ano passado, enquanto Washington, DC e Pequim batiam de frente na COVID-19, conflitos econômicos e comerciais, disputas territoriais na Ásia e direitos humanos problemas.

Fique por dentro: Dirija com a 99 e tenha renda extra: saiba tudo sobre o app

As opiniões negativas sobre a China aumentaram mais na Austrália, onde 81% dos entrevistados agora veem o país de maneira desfavorável.

Isso aumentou 24 pontos percentuais desde o ano passado, provavelmente devido à crise do coronavírus e disputas comerciais entre Canberra e Pequim.

As autoridades chinesas têm criticado cada vez mais a Austrália nos últimos meses, acusando o país de racismo e espionagem.

A maioria dos entrevistados também não confia em Xi – acusado de encobrir a extensão do surto de coronavírus na China e a gravidade da doença – para fazer a coisa certa no cenário mundial.

77% dos americanos pesquisados ​​não confiam em Xi, um aumento de 27% no ano passado. Uma maioria significativa em todas as 14 nações sente o mesmo, e a opinião negativa aumentou em todo o ano passado.

Os japoneses são os mais críticos de Xi, com 84% dos entrevistados não confiam nele em assuntos globais. Esse ceticismo se aprofundou em três pontos no ano passado. O maior aumento registrado na opinião negativa do presidente no ano passado foi nos Estados Unidos.

A maioria também acredita que a China fez um trabalho ruim no tratamento do coronavírus, embora Pequim tenha sido capaz de extinguir seu próprio surto inicial por meio de restrições estritas à liberdade de seus cidadãos.

Uma média de 61% disse que a China fez um péssimo trabalho ao lidar com a pandemia, enquanto 37% disseram que Pequim fez um bom trabalho.

Nos EUA, 64% acreditam que a China teve um desempenho ruim. As mais críticas ocorreram no leste da Ásia, com 79% dos japoneses e sul-coreanos que responderam negativamente.

Mas enquanto o público ocidental está se alinhando com a mudança da América para um relacionamento mais adversário com a China, uma minoria dos entrevistados expressou confiança na resposta de Washington ao coronavírus ou no futuro econômico.

Os Estados Unidos se tornaram o epicentro do surto de coronavírus, registrando mais de 7,5 milhões de casos e 210.000 mortes até o momento, de acordo com a Universidade Johns Hopkins.

Na nação de longe mais afetada do mundo, Trump – agora lutando contra sua própria infecção – tem sido amplamente criticado por sua resposta lenta, sua repetida minimização da gravidade do vírus, sua politização de medidas de saúde pública e espalhar seus próprios conselhos médicos enganosos.

A grande maioria dos entrevistados – uma média de 84% – disse que os EUA fizeram um péssimo trabalho ao responder ao coronavírus, incluindo 52% dos americanos pesquisados.

Os mais críticos foram os entrevistados na Dinamarca (92%) e na Coréia do Sul (93%), mas uma visão negativa da forma como os Estados Unidos lidaram com a crise foi comum em todas as 14 nações.

Mais de 80% dos entrevistados em todos os países europeus incluídos criticaram a resposta americana.

Além dos Estados Unidos, o país que mais perdoou foi o Japão, onde 79% dos entrevistados ainda criticavam a resposta americana ao coronavírus.

Os entrevistados também escolheram a China como a economia mais dominante do mundo, embora oficialmente os EUA ainda sejam os maiores e mais ricos do mundo.

Veja também: App para consultar INSS online – Saiba como baixar

Uma média de 48% nas 14 nações disse que a China é agora a economia dominante do mundo, em comparação com uma média de 35 que escolheu a América.

Apenas nos EUA, Japão e Coréia do Sul mais entrevistados disseram que os EUA são a economia líder mundial à frente da China.

A maior proporção dos entrevistados escolheu a China na Itália (57%), Alemanha (55%) e Bélgica (54%). Mesmo os canadenses tinham maior probabilidade de escolher a China (47%) em vez dos EUA (36%).

Nos EUA, 52% dos entrevistados acreditam estar vivendo na maior economia do mundo, em comparação com 32% que escolheram a China.

Traduzido e adaptado por equipe Folha BR
Fonte: Newsweek

ANÚNCIO