Afeganistão afirma ter matado um líder da Al Qaeda procurado pelo FBI

ANÚNCIO
al qaeda
Foto: (reprodução/internet)

O Afeganistão afirmou no domingo que matou um importante propagandista da Al Qaeda em uma lista dos mais procurados do FBI durante uma operação no leste do país, mostrando a presença contínua do grupo militante lá enquanto as forças dos EUA trabalham para se retirar da guerra mais longa da América continuou o derramamento de sangue.

A morte de Husam Abd al-Rauf, líder da Al Qaeda

Também conhecido pelo nome de guerra Abu Muhsin al-Masri, segue semanas de violência, incluindo um atentado suicida pelo grupo do Estado Islâmico no sábado em um centro educacional perto de Cabul que matou 24 pessoas.

ANÚNCIO

Fique por dentro: Forças especiais acaba com ‘sequestro’ de petroleiro

Enquanto isso, o governo afegão continua a lutar contra os militantes do Taleban, mesmo com as negociações de paz no Catar entre os dois lados ocorrendo pela primeira vez.

A violência e o assassinato relatado de al-Rauf ameaçam as negociações de paz cara a cara e arriscam mergulhar esta nação assolada por décadas de guerra em mais instabilidade.

Isso também complica os esforços dos Estados Unidos para se retirar, 19 anos depois de liderar uma invasão visando o Taleban por hospedar o líder da Al-Qaeda, Osama bin Laden, após os ataques de 11 de setembro.

ANÚNCIO

Mais informações sobre a operação que levou à suposta morte de al-Rauf continuam obscuras horas depois que o serviço de inteligência da Diretoria Nacional de Segurança do Afeganistão alegou no Twitter que o matou na província de Ghazni.

A Al Qaeda não reconheceu imediatamente a morte relatada de Al-Rauf. O FBI, os militares dos EUA e a OTAN não responderam imediatamente aos pedidos de comentários.

O ataque no Afeganistão aconteceu na semana passada em Kunsaf, um vilarejo no distrito de Andar, província de Ghazni, cerca de 145 quilômetros a sudoeste de Cabul, disseram dois funcionários do governo.

Amanullah Kamrani, o vice-chefe do conselho provincial de Ghazni, disse à Associated Press que as forças especiais afegãs lideradas pela agência de inteligência invadiram Kunsaf, que ele descreveu como estando sob o controle do Taleban.

Nos arredores da vila, eles invadiram uma casa isolada e mataram sete supostos militantes em um tiroteio, incluindo al-Rauf, disse Kamrani.

Nem Kamrani nem a agência de inteligência forneceram detalhes sobre como as autoridades identificaram al-Rauf, nem como chegaram a suspeitar que ele estava na aldeia.

Wahidullah Jumazada, porta-voz do governador da província em Ghazni, disse que as forças afegãs mataram seis supostos militantes no ataque, sem reconhecer que al-Rauf havia sido morto.

Kamrani alegou, sem fornecer provas, que o Talibã havia oferecido abrigo e proteção a al-Rauf. O Taleban disse à AP no domingo que está investigando o incidente.

Se o Taleban tivesse fornecido proteção a al-Rauf, isso violaria os termos de seu acordo de 29 de fevereiro com os EUA que deu início às negociações de paz no Afeganistão.

Esse acordo viu o Taleban concordar “em não cooperar com grupos ou indivíduos que ameacem a segurança dos Estados Unidos e seus aliados”, que inclui a Al-Qaeda.

O palácio presidencial afegão divulgou um comunicado no domingo dizendo que al-Rauf havia sido morto e alertando que “provou que a ameaça do terrorismo e as ligações do Taleban com redes terroristas ainda existem“.

O Taleban deve provar ao povo, ao governo do Afeganistão e à comunidade internacional que está encerrando suas ligações com grupos terroristas, incluindo a Al-Qaeda”, disse o comunicado. Eles “devem parar a guerra e a violência e facilitar uma paz digna e sustentável no país”.

Os promotores federais do distrito sul de Nova York entraram com um mandado de prisão de al-Rauf em dezembro de 2018, acusando-o de apoiar uma organização terrorista estrangeira e ser parte de uma conspiração para matar cidadãos americanos.

O FBI o colocou na lista de “Terroristas Mais Procurados” do bureau, que agora inclui 27 outros.

O ruivo al-Rauf, que supostamente nasceu em 1958, é um cidadão egípcio. Uma biografia publicada pela Al Qaeda disse que ele se juntou aos lutadores mujahedeen que lutaram contra a União Soviética em 1986.

Ele serviu por anos como chefe de mídia da Al Qaeda, oferecendo declarações em áudio e artigos escritos de apoio ao grupo militante.

Após anos permanecendo em silêncio após o reconhecimento da morte do fundador do Taleban, Mullah Omar, al-Rauf reapareceu em 2018 em uma declaração de áudio na qual ele zombou do presidente Donald Trump e daqueles que o precederam na Casa Branca.

Eu o chamo de ‘Donald T-Rambo’, que tenta copiar o famoso personagem de ficção americano ‘Rambo’, que, com apenas uma Kalashnikov, foi capaz de libertar todo o Afeganistão da União Soviética”, disse al-Rauf, de acordo com o SITE Intelligence Group.

O palácio presidencial afegão descreveu al-Rauf como “o líder da al-Qaeda para o subcontinente indiano“.

Leia também: China sancionará empreiteiros militares dos EUA para ‘defender os interesses nacionais’

Enquanto isso, no domingo, as autoridades aumentaram o número de mortos no ataque suicida de sábado a um centro educacional perto de Cabul.

O homem-bomba, que foi impedido pelos guardas de entrar no centro, matou 24 e feriu 57 – muitos deles jovens estudantes.

A afiliada local do grupo do Estado Islâmico reivindicou o crédito pelo ataque em um bairro fortemente xiita do bairro de Dasht-e-Barchi, no oeste de Cabul, dizendo que um de seus combatentes usou um colete suicida no ataque.

Traduzido e adaptado por equipe Folha BR
Fonte: New York Post

ANÚNCIO