Advogada de campanha de Trump sob proteção após ‘ameaças de dano’

ANÚNCIO

Uma advogada de campanha do presidente Trump na Pensilvânia foi colocada sob proteção oficial após ameaças contra ela, de acordo com documentos judiciais apresentados na noite de quarta-feira.

Advogada de campanha de Trump sob proteção após 'ameaças de dano'
Foto: (reprodução/internet)

O acontecido

A advogada da Filadélfia, Linda Kerns “tem sido alvo de ameaças de danos, a ponto de o envolvimento da polícia e dos oficiais dos Estados Unidos ser necessário para garantir sua segurança”, afirma o processo.

ANÚNCIO

A surpreendente revelação veio dois dias depois que Kerns, um praticante solo, buscou sanções contra um advogado da firma que representava a secretária de Estado da Pensilvânia, Kathy Boockvar, por deixar uma mensagem de voz abusiva para ela na noite de sábado.

Fique por dentro: Vaticano sondando o ‘Instagram’ do Papa Francisco curtindo ‘a foto de Natalia Garibotto

Kerns também disse em documentos judiciais na segunda-feira que ela “foi submetida a assédio contínuo na forma de e-mails abusivos, telefonemas, ameaças físicas e econômicas e até mesmo acusações de traição – tudo por representar a campanha do presidente dos Estados Unidos em este litígio.”

ANÚNCIO

Mais tarde na segunda-feira, Kerns pediu permissão para encerrar o caso, no qual a campanha de Trump está desafiando sua perda projetada para Joe Biden no crucial estado de Keystone.

A mudança ocorreu depois que o juiz federal Matthew Brann de Williamsport, Pensilvânia, na sexta-feira, permitiu que a empresa de Porter, Wright, Morris & Arthur se retirasse do caso depois que a empresa foi atacada pelo grupo anti-Trump The Lincoln Project.

Veja também: Garoto de 12 anos preso por pegadinha para a polícia que levou à resposta da equipe da SWAT

Brann também permitiu que dois advogados do Texas, posteriormente contratados pela campanha de Trump, se retirassem na segunda-feira, poucas horas depois de terem ingressado oficialmente no caso.

Kerns não retornou imediatamente um e-mail pedindo comentários.

Traduzido e adaptado por equipe Folha BR
Fonte: New York Post

ANÚNCIO