A Rússia parará de construir ogivas nucleares para prorrogação de um ano do tratado

ANÚNCIO

A Rússia propôs conceder aos Estados Unidos seu pedido de congelamento mútuo de ogivas nucleares se Washington concordar com os apelos de Moscou de estender seu último tratado de armas nucleares por pelo menos um ano, sem outras pré-condições.

Putin acordo nuclear
Foto: (reprodução/internet)

Depois de uma semana discutindo por meio de declarações públicas com autoridades americanas, o Ministério das Relações Exteriores da Rússia divulgou uma declaração surpresa na terça-feira, esclarecendo sua posição sobre os esforços em andamento para renovar o Novo Tratado de Redução de Armas Estratégicas (Novo START). 

ANÚNCIO

Leia também: Turquia desafia aliados da OTAN e realiza testes de novo sistema de defesa aérea russo S-400

A declaração parecia oferecer o mesmo congelamento anteriormente considerado “inaceitável” pelo vice-ministro das Relações Exteriores, Sergei Ryabkov, quando as negociações começaram 11 horas antes da próxima eleição presidencial dos EUA.

A Rússia propôs estender o Novo START por um ano e está pronta para assumir uma obrigação política junto com os Estados Unidos de congelar os arsenais de ogivas nucleares existentes dos lados durante este período“, disse o comunicado.

Tal posição dependia de os Estados Unidos concordarem em não impor quaisquer condições adicionais, o que até agora tem limitado o progresso nas negociações.

ANÚNCIO

Nossa proposta pode ser implementada única e exclusivamente com o entendimento de que os Estados Unidos não adiantarão quaisquer condições adicionais com relação ao congelamento dos arsenais“, acrescentou o comunicado. 

Se isso for conveniente para Washington, o tempo ganho com a extensão do Novo START poderia ser usado para manter conversações bilaterais abrangentes sobre o futuro do controle de mísseis nucleares, com a discussão obrigatória de todos os fatores que podem influenciar a estabilidade estratégica.”

Os comentários seguiram a proposta do presidente russo Vladimir Putin na sexta-feira de estender o tratado sem condições por um ano, uma mensagem que o Ministério das Relações Exteriores da Rússia reclamou na segunda-feira e só foi respondida através da mídia social.

O conselheiro de segurança nacional da Casa Branca, Robert O’Brien, respondeu na época que o acordo era “um fracasso” porque não incluía “congelamento de ogivas nucleares“.

Pouco depois da declaração do Ministério das Relações Exteriores da Rússia, no entanto, o porta-voz do Departamento de Estado, Morgan Ortagus, emitiu uma resposta formal.

Agradecemos a disposição da Federação Russa de fazer progressos na questão do controle de armas nucleares”, disse Ortagus. 

Os Estados Unidos estão preparados para se reunir imediatamente para finalizar um acordo verificável. Esperamos que a Rússia autorize seus diplomatas a fazerem o mesmo.” Completou. 

Tanto os EUA quanto a Rússia destacaram a importância de regulamentar seus arsenais estratégicos, mas expressaram opiniões divergentes sobre como evitar a expiração programada do Novo START em 4 de fevereiro.

Putin ofereceu desde o ano passado uma extensão imediata e incondicional e revisou sua oferta na sexta-feira para incluir uma renovação de um ano que foi mais uma vez emendada para incluir um limite mútuo dos estoques nucleares dos EUA e da Rússia.

Fique por dentro: Empresário alemão acusado de violar sanções militares à exportação da Rússia

Depois que comentários feitos na terça-feira passada pelo enviado presidencial especial dos EUA para o controle de armas Marshall Billingslea e geraram esperança de um “acordo de princípio”, o lado russo rejeitou os comentários, com Ryabkov identificando o congelamento nuclear como o principal ponto de contenção.

O embaixador russo nos Estados Unidos, Anatoly Antonov, também alertou sobre uma “profunda crise” nas relações com Moscou e Washington e contra as tentativas dos Estados Unidos de “buscar vantagem militar sobre a Rússia“, anteriormente.

Washington enfatizou a necessidade de um acordo mais abrangente para substituir o Novo START, que envolvesse novos sistemas de armas e países adicionais, como a China, que rejeitou repetidamente tal oferta devido ao seu arsenal muito maior.

Traduzido e adaptado por equipe Folha BR
Fonte: Newsweek

ANÚNCIO